Lamentar ou inovar, onde você irá? Veja o que Renner e Reserva fizeram para liderar em tempos de crise

0
356

Quando tudo parecia estar correndo bem e um novo ciclo de crescimento estava por vir surge um novo escândalo político. E aí, qual caminho percorrer a partir de agora? Lamentar e chorar?

Bom, um dos caminhos é buscar inspirações positivas com outros varejistas. Talvez o case de grande sucesso e repercussão recente em nosso mercado seja o das lojas Renner, de Porto Alegre.

Desde 2014, a varejista vem realizando uma série de projetos com o intuito de crescer e aumentar suas vendas. Muitos dos investimentos foram destinados no back office em ações voltadas para o ganho de eficiência. Mesmo nos momentos de euforia do consumo, ela não se alavancou e consequentemente sempre manteve um nível de endividamento baixo, o que permitiu que mantivesse o ritmo de investimentos, mesmo durante as crises.

Investiu na reformulação de lojas, atraindo um público de melhor poder aquisitivo. Melhorou a oferta de produtos, investiu em softwares de gestão empresarial e de frente de lojas para reduzir o tempo das filas, executou um ambicioso processo de modernização da sua logística e consequentemente reduziu drasticamente o tempo entre o desenvolvimento das coleções até a disponibilidade nas araras. E, sobretudo, tem mantido uma forte disciplina financeira para conter aumentos de custos e garantir boas margens de lucro.

Em consequência, no ano passado ela superou as concorrentes C&A e Riachuelo e se tornou líder do setor, com 5% do mercado e planeja abrir mais 450 lojas até 2021 no Brasil, além de outros países da América do Sul.

reserva
Interior de loja da Reserva

Outro case importante para a inspiração de varejistas é o da grife de roupas carioca Reserva. Apesar de já ter um faturamento robusto, ela ainda apresenta um comportamento de uma típica startup já que inovação está em seu DNA e tem sido a sua principal característica. Em 2015 foi considerada uma das empresas mais inovadoras do mundo, segundo uma lista organizada pela revista americana Fast Company. É a única empresa brasileira no ranking.

Entre as inúmeras ações de marketing com características inovadoras, a Reserva tem o projeto 1P5P, que significa que a cada peça vendida, 5 pratos de comida são doados para pessoas necessitadas, através de uma parceria com a Associação Civil Banco de Alimentos. Só em 2016, foram doados mais de 5,5 milhões de pratos de comida. Uma bela sacada de responsabilidade social.

Outros dois casos recentes: a Faça Você Mesmo e a loja Usereserva.com, no Shopping Fashion Mall no Rio de Janeiro. A primeira oferece a possibilidade através do e-commerce da marca que o próprio cliente personalize sua camisa/camiseta. A outra inovação é uma loja física que eles não consideram um ponto de venda e sim um ponto de encontro! Uma loja sem estoques onde os clientes experimentam, pagam, mas ao invés de levar as peças na hora, recebem em sua casa direto do centro de distribuição, através de entregadores de bicicletas. A loja tem apenas um mostruário para ser experimentado pelos clientes. Ah, o local é também um composto de espaço sustentável, de relacionamento e muita, muita experiência!

A TV MERCADO & CONSUMO VISITOU A LOJA FÍSICA DA USERESERVA.COM. CONFIRA!

Outra proposição são as reformas em curso em algumas das lojas da rede: aumento das áreas para cerca de 200 metros quadrados. As reformas não têm o objetivo, no entanto, de oferecer uma maior exposição de produtos, mas sim de abrigar barbearias, cafés e até espaços de co-working, em uma aposta de que a experiência do consumidor com a marca é que vai prevalecer no futuro próximo.

A ascensão da Reserva é impressionante: nos últimos 5 anos ela quintuplicou seu faturamento e já fatura R$350 milhões. A empresa adota um marketing entre o despojado e o “comprometido socialmente” que a fez cair nas graças dos jovens que querem “algo a mais” em uma marca. Até agora a marca tem se mostrado um sucesso de crítica, público e tudo indica, de boa rentabilidade.

Assim como a Renner, a Reserva também resolveu buscar eficiência e inovação atendendo os anseios dos seus clientes e não se abatendo com as inúmeras crises econômicas e políticas que assolam o país. Resolveram trabalhar muito, respeitando suas aptidões, seu DNA, antenados com as transformações do consumidor e das inovações do varejo. Ah, e são duas empresas genuinamente brasileiras, que fariam bonito em qualquer outro país do mundo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Insira seu seu nome aqui