As lojas físicas não estão condenadas, mas algumas não sobreviverão. É a teoria da evolução no varejo!

0
241
composite of hand holding smartphone with maps graphic with store background

Tem muitas lojas físicas fechando? Tem, sim senhor. Por aqui e no mundo. Mas, tem muitas lojas físicas abrindo? Também tem, sim senhor!

Nos últimos meses, temos visto vários artigos na imprensa noticiando o fechamento de lojas de redes de lojas de departamento dos EUA — Sears e Macy´s entre outros— anunciando amplos planos de encerramento de atividades de lojas no país, levando a mais de 2 mil o número de unidades cujas portas vão baixar.

Mais de 10% do espaço de varejo dos EUA, ou quase 1 bilhão de metros quadrados, podem ser fechados, convertidos para outros usos ou renegociados por um aluguel mais barato nos próximos anos, de acordo com dados fornecidos pelo CoStar Group. Isso além das cerca de 5 mil lojas que foram fechadas nos últimos 18 meses, equivalente a 50 milhões de metros quadrados de espaço.

Um problema enfrentado pelos varejistas dos EUA é que existe um excesso de lojas por lá. O país tem cerca de 24 metros quadrados de imóveis para varejo per capita. Em comparação, o Canadá tem apenas 16 metros quadrados por pessoa.

Os consumidores até gastaram mais no fim do ano do ano passado, mas a maior parte do aumento veio de grandes redes de descontos e compras on-line. Os gastos totais subiram 4%, para US$ 658,3 bilhões, durante novembro e dezembro, superando a projeção de 3,6%, de acordo com a National Retail Federation (NRF). As vendas fora de lojas, um indicador de transações on-line, saltaram 13%.

Porém, mesmo com uma dramática mudança de participação, as vendas pela web ainda representam menos de 10% do total das vendas do varejo e estima-se que permaneçam abaixo de 20% nos próximos 5 anos.

Enquanto isso, o varejo físico resiste. Redes como Aldi, Apple, Costco, TJX, Dollar General, Dollar Tree, Nordstrom, H&M, Ulta e Sephora anunciaram recentemente planos que, somados, abrirão cerca de 3 mil lojas físicas.

Redes que iniciaram suas operações no varejo digital, como a Bonobos, Casper, Warby Parker, além da própria Amazon, estão agora abrindo dezenas de lojas físicas, pois seus planos de somente manter operações on-line se mostraram limitados e não lucrativos.

Estamos, de fato, acompanhando um período de profundas transformações nos protagonistas do varejo em algumas áreas e segmentos. Está claro que aqueles varejistas tradicionais que não inovam, não estão entendo as mudanças comportamentais dos seus clientes e que não estão se reposicionando diante dos novos canais, não estarão mais fortes e pujantes como foram nos anos anteriores.

O varejo digital trouxe para os consumidores muita inovação – informações sobre produtos e preços, muito sortimento, visão de concorrentes, e diversas formas convenientes para entrega dos produtos. Trouxe a conveniência de oferecer a qualquer momento, em qualquer lugar, de qualquer forma, o acesso a quase tudo, e também deixou que as fraquezas dos modelos de negócios de vários varejistas viessem à tona. O fracasso dos varejistas tradicionais em inovar na última década colocou alguns deles em uma posição insustentável à partir da qual eles nunca mais se recuperarão.

O futuro não será distribuído uniformemente. Claramente, existem marcas e categorias de varejo que estão sendo extremamente ameaçados pelo varejo on-line. Há porém setores que estão em declínio (lojas de departamento e hipermercados), cujos problemas têm pouco a ver com o que aconteceu recentemente. Outros ainda permaneceram imunes às forças disruptivas que estão atrapalhando os demais. As redes de descontos, os clubes de compras, as lojas de preço único e os postos de gasolina são alguns exemplos. Os supermercados também tiveram um pequeno impacto, embora isso ainda possa mudar. Também é importante notar que algumas forças que estão moldando a indústria têm pouco a ver com o comércio eletrônico versus lojas físicas ou a noção de que a Amazon está dominando o mundo. Muitos setores estão sendo atingidos por uma mudança fundamental no comportamento dos hábitos de compras que não tem nada a ver com a forma como os gastos estão sendo atribuídas as lojas físicas ou lojas on-line.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário
Insira seu seu nome aqui