Mundo Verde deve apostar em e-commerce no ano que vem

0
1205

A companhia, que fechará este ano com 400 unidades no País, decidiu criar um modelo de lojas compacto, em formato de quiosques

A rede de produtos naturais Mundo Verde, que pertence à família Wizard Martins, prepara uma forte expansão para 2018. A companhia, que fechará este ano com 400 unidades no País, decidiu criar um modelo de lojas compacto, em formato de quiosques, para acelerar o crescimento.

O objetivo da empresa é terminar o ano que vem com 500 unidades, sendo pelo menos 50 no modelo de quiosque, que exigirá um investimento menor dos franqueados. Para 2018 também está previsto o início da operação do e-commerce da rede.

A motivação para a abertura de quiosques, conta o presidente da rede Mundo Verde, Charles Martins, é permitir que a empresa ocupe espaços mais rapidamente, oferecendo uma opção de formato mais barato para os interessados em franquias – enquanto uma loja completa hoje custa pelo menos R$ 400 mil, o quiosque deve sair por, no máximo, R$ 120 mil. A estimativa é que essas unidades garantam o retorno do investimento em 12 meses.

As unidades compactas, que deverão ser abertas sobretudo em shopping centers, vão vender uma seleção dos produtos da empresa, com ênfase em marcas próprias. A estratégia será complementada com uma operação de comércio eletrônico, que terá site na internet e aplicativo para smartphones.

Segundo Charles Martins, hoje cerca de 15% das vendas da Mundo Verde – que deve fechar 2017 com um faturamento de quase R$ 600 milhões – já vêm dos produtos de marca própria. A rede divide esse esforço na marca Mundo Verde Seleção, que hoje já tem 120 produtos, e na Elixir, que tem 32 itens.

A primeira marca é voltada a alimentos e bebidas, enquanto a segunda se concentra em cápsulas voltadas sobretudo para o público feminino. Entre os itens da Elixir estão colágeno e ômega 3. Martins diz que a meta é que as marcas próprias representem 50% das receitas já nos próximos cinco anos.

Fundada há 30 anos, a rede foi comprada pela Sforza, empresa de investimentos criada por Carlos Wizard Martins, pai de Charles, após o empresário se desfazer do Grupo Multi, dono das escolas de idiomas Wizard. Vendido para a britânica Pearson, no fim de 2013, o negócio foi estimado em quase R$ 2 bilhões.

Desde então, a holding – que reúne, além do patriarca, seis dos filhos, incluindo dois adolescentes – começou a diversificar investimentos. Hoje, a holding é dona, por exemplo, das marcas Topper e Rainha (adquiridas da Alpargatas), de uma fatia da rede de idiomas Wise Up e da operação brasileira da rede de fast-food Taco Bell.

Os fundadores da Mundo Verde, os irmãos Jorge Antunes e Isabel Antunes Joffe, abriram a primeira loja no Rio de Janeiro, em 1987. Vinte e dois anos mais tarde, quando já somava 126 lojas, a rede foi vendida para o Axxon Group, fundo de private equity (que compra participações em empresas). Quando os Wizard assumiram o controle, em agosto de 2014, a Mundo Verde tinha a 300 unidades e receita estimada em R$ 400 milhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário
Por favor coloque seu nome aqui