Vendas no varejo paulista crescem 6,4% em setembro

0
589

Segundo a Entidade, o setor faturou R$ 3,1 bilhões acima do registrado no mesmo período do ano passado, a quarta maior receita apurada para o mês de setembro desde 2008

O comércio varejista faturou R$ 51,3 bilhões no período, R$ 3,1 bilhões acima do apurado em setembro de 2016. Com esses resultados, a variação acumulada de janeiro a setembro deste ano foi de 4,4%, que, em termos reais, representou um crescimento de R$ 18,9 bilhões na comparação ao mesmo período do ano passado.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

Assim como nos meses anteriores, as 16 regiões analisadas pela Federação apontaram crescimento no faturamento na comparação com o mesmo mês de 2016. Os maiores avanços foram observados nas regiões de Taubaté (14,3%), Sorocaba (11,1%) e Litoral (9,3%).

Todas as atividades analisadas pela pesquisa mostraram crescimento em setembro na comparação com o mesmo mês de 2016. Os destaques ficaram por conta dos segmentos de farmácias e perfumarias (11,6%); supermercados (5,7%); e outras atividades (4,4%) que, somados, contribuíram com 3,8 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral.

De acordo com a entidade, o ciclo de recomposição das vendas varejistas está sendo sustentado pela conjunção positiva do tripé de determinantes do consumo – inflação, emprego e crédito -, elevando o nível de confiança das famílias e das empresas. A trajetória de melhoria gradual dessas variáveis em relação ao ano passado está se dando de forma continuada e persistente, abrindo espaço para a reação do varejo em ritmo maior do que o previsto.

A entidade ressalta que o ritmo de recuperação está sendo liderado pelo segmento ligado ao comércio de bens duráveis, justamente aquele mais afetado pelo auge da crise, entre os anos de 2014-2016, quando sofreu retração de vendas de 30%. Hoje, os índices se mostram bem acima das expectativas traçadas no início deste ano. Isso indica mudança de comportamento dos consumidores, antes defensivos e hoje se sentem mais seguros a ponto de comprometer seu rendimento para aquisição de bens dependentes de crédito, em função da melhoria de suas expectativas.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui