Times inovadores: 6 dicas para construir o seu

0
1503

Longe do chichê e mais próximo da necessidade básica, inovação é a palavra de ordem no mundo corporativo (e também na vida) nos dias atuais. Criatividade, organização, planejamento e capacidade de execução são quatro competências indispensáveis para alcançá-la.

Refletir sobre o significado de inovação de maneira simples equivaleria dizer que se trata de pensar e resolver problemas novos ou já conhecidos de outras e novas formas.

Diversos negócios estão sendo ameaçados diariamente pela concorrência da nova economia: são mais velozes, mais eficientes e capazes de se flexibilizar e se adaptar aos cenários mais complexos e atuais.

Inovar não é uma tarefa fácil para as empresas, independente do seu tamanho. E dentre os muitos possíveis, um caminho acertado é estimular e trabalhar para formar equipes criativas, com atitude para pensar o novo, em um ambiente onde as ideias possam circular livremente. Sabemos também que os espaços abertos, sofás coloridos, os videogames e as mesas de sinuca não são suficientes para esta transformação. Importante é manter uma atmosfera que estimule a liberdade para pensar de forma disruptiva e criar. Ainda assim, a criatividade é apenas um dos insumos para a inovação. É preciso somar a este ambiente, pessoas motivadas, diversas e reconhecidas. Assim teremos o estímulo necessário para buscar soluções e alternativas, para repensar novas formas de resolver atuais problemas.

A pergunta então passa a ser: como criar um time inovador e engajado na cultura de inovação?

Primeiro vamos eliminar o mito de que inovação precisa estar necessariamente ligada à tecnologia ou criação de novos produtos. Segundo, vamos também eliminar a ideia de que a inovação surge de algum relance brilhante da cabeça de um indivíduo ao acordar. Existem técnicas, atitudes e comportamentos que desenvolvem as competências necessárias para inovar.

  • Criando ambientes que estimulem a inovação

Não estamos falando de um ambiente decorado com pufes. Estamos falando da criação de uma cultura de inovação e um ambiente de troca. Cursos, workshops, eventos que estimulem o intercâmbio de informações são muito bem-vindos. Novos ambientes de trabalho, oxigenação e troca. Horário flexível permite que as pessoas se vejam em seus picos de produtividade. Estímulo ao acerto e aceitação ao erro. Permitir que os colaboradores conheçam clientes, targets, produtos e estratégias da empresa faz com que eles repensem como as coisas são ou podem ser feitas. Estimular a cultura de inovação sem um direcionamento também pode ser desastroso, é importante cuidar para que estejam todos alinhados e engajados aos macro objetivos das empresa.

  • Incentivando a colaboração

Você tem em sua empresa a visão de que as pessoas colaboram o quanto deveriam ou o quanto poderiam? O trabalho em equipe é estimulado igualmente pela corporação e pelas pessoas/áreas, que se mobilizam na tentativa de criar um ambiente de colaboração, fugindo do lugar fácil da filosofia do comando e controle. É possível perceber uma diferença de posicionamento diário muito grande entre as empresas tradicionais e aquelas que são nativas digitais. Flexibilidade nesta transformação pode ser a chave. Começando por pequenas mudanças nos códigos de dress code e trabalho à distância (mas não simples mudanças) que podem ajudar a iniciar este processo. A criação de projetos compartilhados por diversos setores é outra mudança significativa que estimula a troca, convivência com outras pessoas de diferentes mindsets, além da colaboração. O indivíduo é “recrutado” para estes projetos a partir de seus skills e experiências, não a partir da cadeira onde se senta.

  • Investindo na diversidade

Um time homogêneo tende a produzir sempre as mesmas soluções para os problemas. Pessoas diferentes terão uma perspectiva totalmente diferente para as mesmas situações e, portanto, uma probabilidade maior de propor soluções distintas para os problemas. Estamos falando de times formados por pessoas de outros estados e países, outras culturas, raças, gênero e gerações. Pessoas mergulhadas em um caldo cultural distinto, com experiências e expectativas de vida completamente diferentes. Experimente colocar todas estas pessoas juntas, permeadas por um sistema que estimule a troca e a diferença de opiniões.

  • Criando sistemas de recompensa

É necessário mais que uma política de diversidade e abertura para ter uma cultura de inovação. Criar um sistema de recompensa pelas iniciativas e atitudes inovadoras provoca as pessoas, fazendo com que saiam da inércia e cobrem de si mesmos a reinvenção diária, além de fazer com que todos também encorajem outras pessoas a participar do projeto de inovação. E claro, estimula o trabalho, pois promove o reconhecimento e a celebração dos resultados.

  • Assumindo os riscos

Inovação e risco são inseparáveis e necessários. No risco está o diferencial e neste a oportunidade de ganho mais relevante no mercado. É importante, claro, geri-los de forma sistêmica e próxima. Existem técnicas e ferramentas para a gestão estruturada de riscos, com o objetivo de maximizar as oportunidades neles presentes. Há que se considerar a limitação de base de dados e histórico para análise, quando se fala de processos inovadores. Apesar disso, correr risco pode ser altamente produtivo. No mínimo, porque assumimos o desafio de fazer melhor algo que já existe. Começar algo que não existe implica criar novos métodos que podem ser modulados e flexibilizados até alcançar o modelo ideal.

  • Falando sobre inovação

É importante colocar este tema no centro das discussões. Materializar uma ideia significa falar sobre ela o tempo inteiro. Criar ciclos de discussões é um caminho, mas estimular o debate diário, tatuar as paredes, promover treinamentos e definir embaixadores do assunto são outras alternativas. Caso contrário, o tema fica restrito a eventos específicos ao longo do ano e cai no buraco negro de coisas para fazer no dia a dia. Ele não é fomentado.

Não existe uma varinha mágica para inovar, como não existe nada instantâneo na vida. Tampouco trata-se de algo que brota nas pessoas, no time e na cultura da empresa. Estamos falando da criação do ambiente propício, o estímulo à atitude inovadora, a ação de compartilhar a informação. Está fora de cogitação pensar que com um evento aqui e outro ali ou com estímulos pontuais, os times se transformarão em agentes disruptivos de transformação. Inovação passa por processos muito bem definidos, com iniciativas que dão muito mais errado do que certo a princípio. E precisamos estar prontos e abertos a isso. Esta por si, já é uma boa reflexão final.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui