Vendas no comércio crescem pouco em maio

0
425

O mercado varejista brasileiro manteve crescimento modesto no mês de maio. Segundo o SpendingPulse, Indicador de Varejo da Mastercard, excluindo as vendas de automóveis e materiais de construção, o volume de vendas totais do mês apresentou expansão de 0,8%, se comparado ao mesmo período de 2017. A média dos últimos três meses foi positiva, totalizando 1,3% de aumento, quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

De acordo com a análise de César Fukushima, economista-chefe da Mastercard Advisors no Brasil, o crescimento das vendas no comércio, mesmo com a greve dos caminhoneiros representa algo extremamente positivo. “O varejo mostrou resiliência e cresceu apesar da greve. Contudo, as vendas foram fortemente impactadas pela paralização, e, na semana entre os dias 23 e 29 de maio, registramos um impacto de -3% com relação ao mesmo período do ano passado”,  revelou.

O setor de supermercados foi um dos principais responsáveis pela média positiva, com crescimento de 6,9% com relação ao mesmo período do ano passado. Dentre os demais setores, os que tiveram performance positiva no indicador de vendas são: móveis e eletrodomésticos, artigos farmacêuticos, material de construção e artigos de uso pessoal e doméstico. Apenas os setores de combustíveis e vestuário tiveram resultados baixos.

Já as vendas do e-commerce registraram aumento de 26% em maio, na comparação ano a ano. Apesar do bom resultado, o canal também foi afetado pela paralização. Durante a semana da greve, houve uma redução de 19,2%. “Muitos consumidores deixaram de fazer compras online por causa da demora nas entregas”, falou Fukushima.

Para os próximos meses, a perspectiva é de crescimento modesto, uma vez que o resultado das vendas no varejo continua sendo diretamente impactado pela alta taxa de desemprego no país e pela instabilidade do ambiente econômico atual.

Desempenho de cada uma das regiões brasileiras: as regiões Norte (1%), Sul (1,4%) e Sudeste (1%) tiveram desempenho acima da média, enquanto Nordeste (0,8%) e CentroOeste (-2,9%) ficaram abaixo do registrado pelo varejo, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário
Por favor coloque seu nome aqui