Como as crises econômicas podem auxiliar o desempenho das empresas

619
[tempo para leitura: 2 minutos]

Estamos nos aproximando do início de um novo ano, este, em particular, com muitas incertezas em relação à economia. Empresários e empreendedores traçam metas e planos e montam estratégias voltadas para o cenário que se prevê.

Por conta do mau desempenho econômico brasileiro nos últimos anos, o pessimismo reina entre os empresários. Com este cenário, reduz a confiança e a maioria se retrai. A concorrência diminui e as oportunidades aparecem. Dentro de um problema encontramos várias oportunidades, dessa forma, não há escolha: ou você vira vítima ou vira herói.

Nos momentos de bonança, com disponibilidade de crédito, taxas de juros baixas, emprego em alta e a consequente melhoria na distribuição de renda, o poder de consumo é sempre alto. Em tempos bons, somos todos heróis, pois a maioria das empresas conseguem bons resultados.

Voar em céu de brigadeiro é muito fácil e confortável. Porém, não é sempre assim. Muitas vezes temos que voar com grandes turbulências. Durante as crises, somente as empresas mais preparadas conseguem fazer bons progressos, abrindo ainda mais vantagem sobre os concorrentes.

Um bom piloto, além de conhecer todos os fundamentos de navegação aérea, é treinado, exaustivamente, para enfrentar situações de extremo perigo.

Deveríamos seguir o mesmo exemplo no dia-a-dia organizacional, ou seja, os profissionais deveriam ser treinados para administrar em tempos difíceis.

Como devemos nos preparar?

A forma correta de nos prepararmos para esses momentos é nos exercitando todos os dias, como se já estivéssemos no cenário de crise:

1. Use a crise a seu favor, aproveite a queda das atividades e procure inovar, fazer mais com menos.
2. Trace planos para conquistar novos mercados e clientes de competidores enfraquecidos pela crise, sempre haverá oportunidades para as organizações mais criativas e ágeis.
3. Faça simulações de seu planejamento considerando cenários em momentos de bonança e outro para momentos de crise;
4. Faça planos de ações para os dois cenários e, periodicamente, reveja seus processos implementando melhorias;
5. Faça revisões periódicas de seu orçamento, para tanto, existem no mercado boas ferramentas que, se bem utilizada, trazem excelentes resultados, tais como o Orçamento Base Zero (OBZ).
6. Invista em treinamento para sua equipe se preparar para tempos difíceis;
7. Reveja, periodicamente, os pontos fortes e fracos da sua empresa; 
8. Acompanhe diuturnamente a posição de caixa, do grau de endividamento e fique atento aos pequenos gastos; 
9. Aproveite e fortaleça o relacionamento com os clientes agregando valor e fidelizando-os. Em muitas situações, essas iniciativas não requerem investimentos, mas apenas uma mudança de atitude.

Essas e outras ações não devem esperar, pois o único modo de ser mais competitivo é inovar e se tornar diferente dos concorrentes.

Portanto, como um piloto de um avião que se prepara para enfrentar voos turbulentos, você e sua empresa devem se preparar no “simulador” para situações inesperadas de crise.

Roberto Perez ( roberto.perez@gsmd.com.br), sócio-diretor, da GS&MD – Gouvêa de Souza.

Deixe uma resposta