Lucro: vamos ao que interessa?

393
[tempo para leitura: 3 minutos]

Por Jean Paul Rebetez*

Escrevo aqui minha experiência pessoal como executivo de vendas e consultor em mais de 25 anos de varejo, onde posso afirmar para vocês que CEO’s, executivos e gestores, de uma forma geral, não pensam obstinadamente em LUCRO como deveriam!

Muitas coisas transitam na cabeça destes profissionais. Muitos investem o valioso tempo em processos burocráticos, outros em networking, outros em viagens.

No entanto, poucos ou raros que conheci mantêm o foco obstinado no que gera LUCRO! Suas conversas, reuniões e atitudes geralmente não estão voltadas 100% para esta questão.

Caros, uma direção que não deixa claro e não mantém a obstinação no LUCRO, não é vencedora e tenderá à mediocridade, investirá menos em tecnologia e produtos, remunerará menos e logo terá as piores equipes, gerará pouca inovação e competitividade.

Me pergunto: por que a geração de lucro não é tão clara para a direção? Por que visar o LUCRO é quase um sacrilégio? Nunca se desculpe por focar no LUCRO. Tudo começa e termina por ele. Ele é a razão de estarmos fazendo parte de uma organização! O time que move a organização entenderá a importância do foco, pois se beneficiará do resultado.

Por que não atestamos isso logo de saída, na cultura da empresa, no processo orçamentário, nas contratações, no dia a dia da operação e nas atitudes que valem por mil palavras?

Recomendo a reflexão sobre algumas questões que levam a duplicar o LUCRO das empresas em muito pouco tempo.

São eles:
Liderança – menos foco nos processos e mais foco no LUCRO. Seus gestores deveriam ser capazes de expressar e manter este propósito claro, de integrar e dar a direção, gerir emoção e dar suporte as iniciativas e ideias que geram LUCRO!

Criar a cultura de que “somos os melhores” – deixe claro a missão da sua empresa (para que sua liderança possa expressá-la!). Chega de missões metafisicas, demonstre claramente que seu objetivo é ser o melhor no que faz. Mostre isso no dia-a-dia!

Meritocracia? Pratique isso! Incentive seus talentos que geram LUCRO para organização. Demita, remunere e promova pela performance! Ao não exercer a meritocracia arruinamos tudo!

Resultados e não processos! Cuidado com os processos burocráticos, que tomam o tempo das pessoas e não focam em resultado. Pense que se realmente assumimos um novo conceito (da moda ou não), pergunte-se: qual a maneira mais rápida, direta e simples de implantá-lo?

Estimule todos a fazer mais com menos: custos são gerenciáveis até o ponto de sobrevivência. É muito importante que saibamos diferenciar os custos estratégicos – aqueles que geram LUCRO e devem ser mantidos até em tempos vacas magras -; dos que não são: corte, elimine todos os dias! Até o osso!

Não delegue demais e nem deixe de delegar! Não se delegam as questões que envolvem LUCRO ou que podem gerar LUCRO!

Não desperdice tempo! Se você já sabe a resposta, ainda que intuitivamente, tome a decisão! Excesso de estudos e demonstrações atrasam as decisões! Invista tempo nas questões estratégias do seu negócio. Tempo estratégico acabará em LUCRO, tempo não estratégico acabará em processo burocrático!

Senso de Urgência, decisões que levam meses devem ser descartadas!

Maximizar a satisfação do cliente leva a empresa a bancarrota! Cuidado em oferecer serviços além das expectativas do cliente sem que necessariamente eles queiram pagar por isso! Acrescente diferenciação que os clientes pagam por ela!

Traduzindo cultura em ação, com palavras não transformaremos a organização, com ações sim! Quer saber mais como podemos duplicar ou triplicar os LUCROS da sua empresa com ações? Entre em contato. Somos experts em eficiência e geração de LUCRO!

*Jean Paul Rebetez (jean.rebetez@gsmd.com.br) é diretor de Consultoria da GS&AGR

Deixe uma resposta