O que esperar da NRF 2016

300
[tempo para leitura: 4 minutos]

O mais importante evento do varejo mundial, o NRF Big Show, em Nova Iorque, foi programado em 2016 para se realizar com uma semana de atraso (de 17 a 20 de janeiro) em relação ao seu período histórico. No mesmo Javits Center, o evento deste ano deverá ser recorde de presença de varejistas norte-americanos e seguramente o menor número de participantes brasileiros dos últimos cinco anos.


Leia também:

-> NRF Big Show – baixe o App oficial da Delegação GS&MD – Gouveâ de Souza

-> Visitas técnicas garantem imersão no NRF Big Show 2016


São dois momentos e circunstâncias totalmente diferentes.

Em 2015 o evento teve perto de 1.900 brasileiros e pelo segundo ano consecutivo foi a maior delegação internacional participante. O quadro econômico geral, o estado de espírito empresarial, as preocupações com os ajustes de curto prazo, as incertezas com respeito ao futuro próximo e a defasagem cambial vão ser responsáveis por significativa redução do número de brasileiros presentes no evento deste ano.

Sem contar expressivo incremento dos preços praticados pela própria NRF, aproveitando o aumento da presença de participantes dos Estados Unidos, México e Canadá.

O NRF 2016 encontrará o varejo do Brasil tendo o ano de 2015 com crescimento negativo nas vendas, impactado mais diretamente pelos setores de duráveis, veículos e artigos para o lar. Os números definitivos e baseados em critérios estatísticos confiáveis só estarão disponíveis por ocasião do início da NRF, mas já se pode confirmar, como havíamos antecipado neste mesmo espaço, no início de novembro, que tivemos o pior Natal da década e o ano com o pior desempenho dos últimos 15 e talvez 20 anos.

Porém, nos Estados Unidos, o momento é muito distinto.

A recuperação do mercado e do varejo norte-americano, puxando consigo a expansão de seus vizinhos, trará crescimento do número de participantes desses mercados e estimulou o aumento dos preços para comparecer ao evento e, com isso, haverá um perfil bastante diferente de presença. E de expectativas com respeito ao momento do Brasil.

De fato, o ano de 2015 terá sido marcante no processo de recuperação do mercado norte-americano, depois da crise econômico-financeira de 2007/2008 e isso ficará sinalizado pelo crescimento das vendas nos diversos canais de varejo em geral, talvez com exceção das vendas diretas e pelos novos conceitos que foram lançados e serão apresentados e debatidos durante o evento.

O crescimento de vendas no varejo norte-americano em 2015, cujo número oficial será divulgado pelo Bureau de Censo no dia 15 de janeiro, deverá ficar um pouco menor do que o registrado em 2014, até pelo efeito estatístico de uma base maior e será puxado principalmente pelo desempenho do período final do ano que teve aumento de vendas estimado em 3,7%. E estará impactado pela forte expansão do varejo online que ano após ano vem aumentando sua participação nas vendas gerais.

O México é o país vizinho mais beneficiado pela expansão do mercado norte-americano e no varejo, o crescimento das vendas deverá ser próximo a 4%, repetindo o indicador do ano anterior. Já no Canadá, enfrentando um quadro muito mais competitivo, a expansão das vendas do varejo deverá ser bem mais baixa – ao redor de 1%.

No NRF 2016 deverá chamar a atenção os inúmeros conceitos que, apresentados como tendências nos anos anteriores, se transformaram em projetos implantados e com resultados sendo apurados, que podem ou não validar o que se previa anteriormente, especialmente em tudo o que envolve estratégias e práticas omni.

A maioria de conceitos apresentados como propostas nos dois anos anteriores, reapresentados como pilotos posteriormente, serão agora validados ou não nas suas operações implantadas e, principalmente, validados em seu desempenho pela realidade dos números obtidos.

Isso será especialmente verdadeiro em tudo o que envolve as concepções das novas lojas interativas e experienciais e as inúmeras oportunidades envolvendo integração de canais.

Alguns movimentos estratégicos poderão ser confirmados, envolvendo as tendências de redução dos espaços físicos das lojas, por conta do uso das alternativas digitais, assim como a criação de conceitos de lojas muito mais interativas, conceituais, promovendo um contato diferenciados dos consumidores com as marcas.

Outra tendência que deverá confirmar sua procedência é a maior participação de fornecedores chegando diretamente aos consumidores finais, através da criação de canais diretos e exclusivos de contato, relacionamento e vendas, movimentos particularmente impulsionados pelo avanço do digital.

Sem dúvida a tecnologia será mais uma vez o ponto focal mais importante do evento, seja por conta de seus investimentos em promoção de seus produtos e serviços, seja porque, de fato, toda inovação e modernização do setor passa necessariamente pela incorporação de novas ferramentas que racionalizem processos, estimulem experiências e incrementem resultados. Não há como fugir dessa constatação.

Para os brasileiros que estarão presentes no evento, ficará o gosto amargo de terem que explicar como o País do futuro se conforma em continuar no passado e, a cada semana, gerar notas globais de descrédito e dúvidas sobre nossa capacidade de resolver nossos problemas internos. Que teimam em se agravar por exclusiva responsabilidade de nossas lideranças políticas e privadas.

Mas, como sempre, muito poderá ser aprendido sobre o que fazer e o que não fazer e nada pode ser mais importante no mundo dos negócios, especialmente no varejo, do que aprender com os erros e acertos dos outros, sem expor nosso capital. Especialmente ao custo de capital que temos hoje no Brasil.

Nota. A GS&MD – Gouvêa de Souza, pela 28ª vez, levará importante delegação brasileira de líderes do setor de varejo, shoppings, franquias e comércio eletrônico para participar do NRF 2016 e neste ano, no dia 20 de janeiro, a partir das 14h, realizará no The Plaza Hotel, em Nova Iorque o GS&MD – Retail Executive Summit, com a participação da equipe de consultores permanente da empresa e parceiros de negócios, sintetizando o que de mais importante aconteceu no evento e debatendo suas implicações na realidade brasileira.

Esse encontro também reunirá brasileiros e norte-americanos que têm interesse específico nas perspectivas do setor comercial varejista da América Latina.

Durante os meses de fevereiro e março a GS&MD – Gouvêa de Souza realizará os pós NRF nas mais importantes capitais e cidades brasileiras.

Marcos Gouvêa de Souza (mgsouza@gsmd.com.br) é diretor-geral da GS&MD – Gouvêa de Souza. Siga-o no Twitter: @marcosgouveaGS

Deixe uma resposta