O futuro do trabalho na visão dos colaboradores

328
[tempo para leitura: 3 minutos]

Por Rodrigo Anunciato*

O ADP Research Institute realizou recentemente um estudo com líderes e colaboradores em nível global, tendo com um dos objetivos principais elencar as cinco necessidades básicas dos profissionais no mundo do trabalho.

Neste artigo vamos olhar especificamente para os resultados obtidos junto aos profissionais na América Latina, os quais, apesar de esperançosos, ainda mostram um grau representativo de ceticismo frente ao futuro.

Necessidade 1: Liberdade

De um modo geral, os colaboradores mostram-se empolgados com a perspectiva de escolher o próprio cronograma de trabalho, especialmente no Brasil, embora os jovens brasileiros da geração milênio sejam os que menos acreditam que as organizações permitirão essa liberdade.

Necessidade 2: Conhecimento

A região latino-americana tem mais probabilidade de acreditar que já pode aprender sob demanda, pois os profissionais reconhecem que a mídia social já se tornou uma plataforma de colaboração para o trabalho.

Especialmente entre os jovens da geração milênio, a crença é de que em pouco tempo a mídia social criará oportunidades para conexões mais profundas, transpondo barreiras de distância e tempo.

Necessidade 3: Estabilidade

Como em todas as outras regiões do mundo, os latino-americanos acreditam que uma mudança para contratar exclusivamente prestadores de serviço é algo que acontecerá no futuro, mas provavelmente não nos próximos três ou cinco anos.

A maioria está empolgada com a possibilidade de competir globalmente por trabalhos e prestar serviços mundo afora, especialmente no Brasil, onde a economia está começando a desacelerar e a prestação de serviços oferece novas oportunidades.

Necessidade 4: Autogestão

Embora a maioria dos latino-americanos tenha sentimentos positivos com relação à possibilidade dessa mudança no ambiente de trabalho, a região é a menos propensa a acreditar que as empresas irão se adaptar a ela, porém, têm muito mais probabilidade do que aqueles de outras regiões de acreditar que serão pessoalmente afetados por isso.

Necessidade 5: Significado

Embora a América Latina parecesse estar particularmente bem posicionada para o crescimento na última década, o declínio contínuo no crescimento econômico nos últimos anos, especialmente no Brasil, representa um desafio à região no momento.

Antes, as referências econômicas da região, o Brasil e a Argentina, testemunharam ritmos lentos no crescimento, amplamente devido à redução nos preços de commodities, à economia chinesa desacelerada e à redução nos investimentos, que afetaram a infraestrutura de tecnologia e a adoção de tendências no ambiente de trabalho.

Apesar disso, mais de dois terços dos latino-americanos (especialmente homens), acreditam que as organizações já estão usando a tecnologia para medir e aprimorar o bem-estar dos seus colaboradores ou farão isso nos próximos três anos.

A maioria acredita que será pessoalmente afetada por essa mudança e está empolgada com isso, especialmente os jovens da geração milênio.

O que podemos concluir deste estudo?

Considerando os dados apresentados, embora quase dois terços das pessoas acreditem que as organizações na América Latina devem se adaptar às mudanças nas necessidades dos colaboradores, os profissionais estão mais céticos quanto às empresas mudarem conforme o tempo passa.

Ao pensar na necessidade de conhecimento no ambiente de trabalho torna-se evidente que o modo como os líderes e os colaboradores acumulam conhecimento está mudando rapidamente devido ao aumento das ferramentas e plataformas disponíveis às pessoas para uso no trabalho.

Ainda sob este aspecto, argumenta-se que a necessidade do ambiente de trabalho de maior impacto sobre as tendências atuais pode ser a da autogestão, o que pode possibilitar crescimento e aprendizado para os indivíduos.

Hoje, os jovens da geração milênio enfatizam mais a busca de sentido na carreira do que as gerações anteriores, que tendiam a buscar um sentido fora do trabalho.

Por esta razão, mais uma vez torna-se imprescindível que as organizações preparem-se cada vez mais no presente para os desafios que vivenciarão no futuro próximo.

Pense nisso!

*Rodrigo Anunciato (rodrigo.anunciato@gsmd.com.br) é gerente de Soluções e Conteúdo GS&Friedman

Deixe uma resposta