Tecnologia nos PDV's – até onde vale o investimento?

317
[tempo para leitura: 2 minutos]

Valéria Carrete*

RFID. Beacons. Holograma. Realidade Virtual. Digital Signage inteligente.  Inteligência Cogntiva. Vale realmente tudo para se diferenciar da concorrência e ganhar a guerra pelo tão querido cliente? Essa é a pergunta de um milhão de dólares.

Ouvimos todos os dias sobre as estratégias dos varejistas,  nas mais diversas partes do mundo,  para atrair clientes e tornar o processo de compra mais prazeroso, simples e assertivo em suas lojas físicas. Tentar aproximar a  experiência do online e, de quebra, também conseguir dados e analytics que façam a operação se tornar mais eficiente. A dúvida é se realmente todos os caminhos “levam a Roma”.

A Ikea lançou um app que interage com o catálogo de produtos, fazendo com que os clientes tenham a exata visão de como os móveis ficarão no ambiente escolhido. Solução parecida foi desenvolvida pela empresa Lowe´s, gigante americana de Home Improvement.

A Macy´s está testando o Watson, uma inteligência cognitiva da IBM, para auxiliá-los em um atendimento mais correto e assertivo, respondendo às perguntas do consumidor. Também testou beacons em sua operação e, ao invés de implementar a solução em todas as suas lojas, está desativando o parque instalado. Segundo a empresa, estão reavaliando a sua efetividade.

Estamos em um momento de criação de caminhos. Erros e acertos fazem parte desse processo. Soluções extremamente promissoras não se validam, às vezes, quando instaladas. E ideias inovadoras, mas  simples, se tornam um frisson – a febre do Pokémon Go é a prova viva e recente disso.

As empresas de meio de pagamento também seguem este caminho. Samsung pay, que viabiliza o pagamento por aproximação de handset celular, é uma delas.  A pulseira “cartão de crédito”, já lançada no Brasil pela Mastercard e Visa, também. A facilidade de pagamento, fazendo o ato de pagar menos “dolorido”, também é uma preocupação das empresas. Integração do meio de pagamento com programas de fidelidade, viabilizando o pagamento por meio de pontos acumulados, também é visto como diferencial.

Fato é que a transformação do PDV fisico em locais de interação e diversão é uma realidade sem volta. A experiência é a palavra-chave!

Nós consistentemente analisamos esses fatores e temos propostas a apresentar. Durante o LATAM Retail Show, que acontecerá em São Paulo, de 23 à 25 de agosto, tangibilizaremos nossa visão por meio do Projeto “Omniera – A Loja do Futuro”.

A Loja do Futuro explorará as tendências que direcionam o varejo mundial como, por exemplo, o conceito de social hub, construindo experiências únicas. Através de um envolvimento total com as tecnologias embarcadas, o visitante poderá explorar, ainda mais, o ponto de venda e presenciar a mais completa experiência da marca, por interações digitais. Além disso, a ambientação e cenografia trarão o conforto para as pessoas proporcionando uma experiência de compra íntima e agradável.

A Loja do Futuro apresentará três perspectivas diferentes, sendo elas a jornada do consumidor, do vendedor e gestor, gerando diferentes visões e análises em uma experiência única. Também mostrará as soluções dos problemas encontrados no varejo atual, como o mau atendimento, insistência, falta de agilidade dos vendedores e filas. Fatores positivos como simpatia e cordialidade, personalização, diferenciação, satisfação do cliente, melhoria da experiência, atendimento consultivo, alta tecnologia e, consequentemente, geração de valor também serão foco no mega estande.

A visitação à Feira e à Loja é gratuita. Basta somente se cadastrar no www.latamretailshow.com.br .

Nos vemos lá!

*Valéria Carrete (valeria.carrete@gsmd.com.br), diretora Comercial e Novos Negócios (DNO) da GS&MD – Gouvêa de Souza. Twitter: @vcarrete

Deixe uma resposta