Os profissionais ainda valorizam o plano de carreira?

325
[tempo para leitura: 2 minutos]

O plano de carreira é um dos modelos mais tradicionais de ascensão profissional

Muito valorizado pela geração X, dos nascidos entre 1960 e 1980, as demais gerações Y e Z, que são formadas por profissionais dinâmicos e imediatistas, vislumbram um crescimento rápido dentro das incorporações e quando isso não é possível, eles costumam trocar de empresa conforme apareçam possibilidades fora. Mas será que todos os profissionais não desejam fazer uma carreira sólida em empresas que valorizam e investem nos funcionários?

Esta característica imediatista da Geração Y e Z, senão traçado um plano de carreira e expectativas no inicio da contratação, dificultará não só a ascensão profissional como o cotidiano. Por isso, RH deve trabalhar junto aos profissionais e seus gestores, a fim de desenvolver um planejamento adequado com as politicas de cada companhia e, ao mesmo tempo, estimular essa cultura profissional que é benéfica tanto para o colaborador, quanto para a incorporação.

O plano de carreira é apenas uma das formas de crescimento, em alguns casos, a mais assertiva, em contrapartida, cabe aos profissionais questionarem: “onde estou” e “aonde posso chegar”, tendo suas metas e planejamento tangíveis e entregáveis.

O departamento de RH deve estar atento e próximo aos gestores para identificar os profissionais que desejam um crescimento na incorporação, e assim, investir e reter esses talentos. Os líderes e gestores também devem permanecer conectados com sua equipe, pois o face to face entre líderes e liderados é o que fortalece a paixão e a conexão com a empresa. Compartilhar experiências gera comprometimento e confiança em todas as relações. Quando se está presente totalmente no que se faz a conexão ocorre naturalmente.

Algo que pode influenciar muito o profissional a buscar construir uma carreira nas empresas é conhecer a trajetória do fundador/presidente. Quando se conhece a história de vida do presidente, todos os colaboradores sentem que o CEO é “gente como a gente”, e pode ser uma fonte inspiradora de grandes conquistas futuras.

Existem diversas maneiras de crescer profissionalmente, cabe muito aos profissionais entenderem o momento em que estão e o que querem para o futuro, mas cabe muito mais as empresas, e principalmente ao RH, identificar talentos, investir e encorajá-los a seguir a trilha de uma carreira de sucesso.

Deixe uma resposta