Nº de reclamações sobre a Black Friday cai 33%

344
[tempo para leitura: 3 minutos]

Balanço do Reclame Aqui revela que das 18h de quinta-feira (24) até a meia-noite de sexta-feira (25) foram registradas 2.912 reclamações sobre a Black Friday, 33% a menos que em 2015, quando foram 4,4 mil queixas. Enquanto isso, as pesquisas para consultar a reputação das empresas no Reclame Aqui cresceram 26%.

Os cinco principais motivos de reclamações foram propaganda enganosa, responsável por 22%, seguido de divergência de valores, 15%; problemas na finalização da compra, 12%; produto indisponível, 7,6%; e promoção, com 6,6%. Protagonista em outras edições, a maquiagem de preço – o famoso “metade do dobro” – ficou em 6º motivo de queixas (5,4%).

Em apenas 3 das 12 primeiras horas, houve mais reclamações este ano do que em 2015. Já nas 12 horas finais de sexta-feira, oito desses períodos tiveram mais reclamações do que o ano passado, o que demonstra um deslocamento das compras para a segunda metade da promoção. Os consumidores compararam os preços, procuraram promoções verdadeiras e consultaram reputação das empresas que estavam anunciando.

Assim como em 2015, a loja virtual Kabum! fechou esta edição da Black Friday na liderança com 588 queixas, seguida da Americanas.com, com 249, e Submarino, com 149 reclamações.

O G1 procurou as empresas citadas no ranking de reclamações e aguarda resposta.

Produtos mais reclamados
Os smartphones foram um dos produtos mais buscados na Black Friday, por isso, representaram 10,2% do volume de reclamações, ficando em primeiro lugar entre os produtos que mais tiveram problemas. Em segundo lugar apareceram componentes, peças e acessórios de eletroeletrônicos, com 7%, seguido de TV, com 6,4%, celular, 6% e notebooks, com 3,2%.

5 principais problemas
Propaganda enganosa: 22%
Divergência de valores: 15,1%
Problemas na finalização da compra: 12%
Produto indisponível: 7,6%
Promoção: 6,6%

5 produtos mais reclamados
Smartphones: 10,2%
Componentes, peças e acessórios: 7%
TV: 6,4%
Celular: 6%
Notebooks: 3,2%

Empresas mais reclamadas e o nº de queixas:
Kabum!: 588
Americanas.com: 249
Submarino: 149
Netshoes: 117
Magazine Luiza (loja online): 100
Extra.com.br: 89
Walmart (loja online): 83
Fast Shop: 62
Ponto Frio (loja online): 58
Casas Bahia (loja online): 56

Monitoramento das redes sociais
Por meio das ferramentas HugMe, o Reclame Aqui também observou o comportamento dos consumidores nas redes sociais. Embora tenha reclamado menos, reflexo do menor volume de compras e do menor congestionamento dos sites, o consumidor pesquisou mais.

A Black Friday conseguiu pela manhã mais destaque relativo que na madrugada, mesmo com a crise no governo de Michel Temer e o pedido de demissão do ministro Geddel Vieira Lima, que tomaram conta dos noticiários nas últimas horas. A Americanas chegou ao 14º lugar nos trending topics do Twitter, enquanto tinha sido no máximo o 19º antes de amanhecer.

Os homens falaram mais da Black Friday nas redes sociais e também lideraram as reclamações. Foram deles 62% das queixas registradas no Reclame Aqui. A faixa etária que mais reclamou foi entre 25 e 35 anos, concentrando 43,1% das queixas registradas, seguida pela faixa entre 36 e 45 anos, com 17,5%.

Desconto menor
Este ano, na média, os descontos oferecidos foram menores, um reflexo do esforço feito pelas empresas nos meses anteriores para tentar manter as vendas em um cenário de menor demanda dos consumidores e de custos crescentes. A margem de lucro das lojas online já estava sendo reduzida, tendo sobrado pouca flexibilidade para diminuir de modo significativo os preços de produtos relevantes para o consumidor, segundo o Reclame Aqui.

“As lojas ofereceram de 20% a 30% de desconto, mas o consumidor esperava 50% ou 60%, por isso não ficou tão atraído pelas ofertas na Black Friday”, disse o CEO do Reclame Aqui, Maurício Vargas.

 

Fonte: G1

Deixe uma resposta