Como encarar 2017? Perspectivas, tendências e desafios para o próximo ano

367
[tempo para leitura: 3 minutos]

Quais são as tendências para 2017? O que esperar de 2017 no mundo dos negócios? Como estará a economia no próximo ano? Qual a importância da proposta de valor? Quais são os conceitos e modelos de negócios promissores? Veja algumas das respostas no artigo abaixo.

O final de 2016 traz a sensação de sobrevivência a mais uma jornada. E é hora de olhar para frente e entender o que nos espera no próximo ano.

O franchising brasileiro já mostrou sua força e se manteve de pé, graças a muito trabalho, organização das estruturas e planejamento. Para o próximo ano, o cenário continua desafiador, mas com algumas oportunidades e negócios que abraçaram causas importantes seja em posicionamento, seja em inovação.

UMA VISÃO MACRO DAS TENDÊNCIAS E DESAFIOS

Economia

Especialistas do mercado indicam que 2017 pode ser efetivamente o ano da recuperação econômica. Se considerados todos os ciclos “recessão-recuperação” históricos, 2017 será um ano que tende a ser o ano da virada do jogo. Claro que devemos levar em consideração a montanha russa de emoções que temos visto no cenário político nacional e internacional. Se nada der muito errado, a chance das previsões se concretizarem é real.

Perfil do Consumidor – Ação Necessária das Empresas

Já não cabe ficar falando dos millennials, de seus anseios e formas de consumir. Isso já não é novidade. Cabe agora decidir o que fazer com tudo isso que descobrimos sobre o comportamento dessa geração que tanto tem impactado os negócios.

Quem ainda não se preparou deve se preparar para lidar com o consumidor-cidadão-colaborador. Traduzindo, a mudança no comportamento das empresas também é urgente e deve se refletir desde a forma de contratar essas pessoas até gerar valor para cada momento de contato do cliente.

Nunca foi tão importante entregar um momento da verdade de valor para quem investe seu tempo em se relacionar com a sua marca, produto ou serviço.

Mercado
Redes consolidadas que não tiverem medo da crise e não se afligirem com o que está por vir, continuarão investindo e crescendo. O que aconteceu e ainda deverá acontecer é uma revisão de planos e rumos a serem seguidos. Assim como em 2016, quem não aproveitou para usar a retração de muitos para acelerar e ganhar mercado, pode deixar de abocanhar fatias importantes. As redes que se aproveitaram da flexibilização de negociação com shoppings, fornecedores e demais elos da cadeia de abastecimento tiveram resultados superiores e conseguiram crescer mesmo em temos de crise econômica.

Com o arrefecimento da crise, em 2017 deve prevalecer a busca da entrega de valor e não de preço. A entrega de uma proposta de valor concreta deve direcionar os negócios. Com o aprendizado de 2016, em que a competitividade nos negócios se tornou extremamente acirrada e provocou a diminuição de margens, as empresas começaram a perceber a necessidade de se diferenciar pela entrega de valor e da diferenciação.

Todo esse contexto deve estar alinhado com a expectativa do consumidor para garantir que o investimento realizado efetivamente surtirá efeito. Quem focar apenas em briga de preço corre sérios riscos de perder espaço e principalmente o interesse do consumidor.

Construção do Valor
É notório e histórico que o setor de serviços é o que mais se beneficia da retomada econômica. E cada vez mais serão incorporados por empresas essencialmente transacionais.   Como exemplo, empresas de venda de itens de casa e decoração investindo na prestação de serviço de design de interiores e inspeção kids – identificação de pontos que podem ser considerados inseguros para as crianças em casa, e readequação desses espaços.  Seguradoras investindo em serviços agregados como saúde de pets e assistência sênior. Academias com serviços de acompanhamento nutricional, etc.

Propósito aliado às pessoas
Uma reflexão profunda do porquê a companhia existe. A mudança do consumidor teve também um reflexo na cultura das empresas. Há de se ter um olhar para dentro que fará com que as companhias resgatem o que tem de mais essencial. E, a partir disso, traçarem seus caminhos para os próximos anos. A partir desse resgate se tornará também fundamental alinhar as pessoas da companhia com esse mesmo propósito. A essência de uma entrega de valor para o cliente será reflexo da essência da cultura e do propósito enraizados em todos que tem contato com ele.

Para conhecer mais sobre o tema, clique AQUI, e veja também quais são os conceitos, modelos e negócios promissores para 2017.

Conheça também os serviços do Grupo BITTENCOURT nas seguintes áreas:

 

Deixe uma resposta