NRF 2017 destaca Marcas com Alma

547
[tempo para leitura: 4 minutos]

Um dos assuntos principais da recém encerrada 106a edição do Retail Big Show, promovido em Nova Iorque pela National Retail Federation, foi sem dúvida o importante papel das marcas no varejo.

 

No passado, as marcas eram utilizadas principalmente para sinalizar qualidade. Os slogans comprovavam a tese: ‘Knorr é melhor’; ‘Se é Bayer, é bom’; ‘Volkswagen, você conhece, você confia’. No entanto, de um tempo para cá as coisas começaram a mudar. Se no passado o sabão em pó OMO tinha como principal objetivo convencer as donas de casa de que lavava mais branco (porque tinha o ‘azul polar brilhante’), hoje OMO habita o universo do brincar, estimulando as crianças a se sujarem à vontade, que depois o sabão em pó dá um jeito nas roupas. O slogan passou a ser ‘porque se sujar faz bem’. Em outras palavras, o PROPÓSITO ganhou protagonismo, tornando-se mais importante do que o atributo funcional.

 

Por que isso acontece? Em um mundo onde o que não falta é alternativa para o consumidor e igualar a performance do concorrente não é tarefa das mais difíceis, as pessoas estão gradualmente preferindo marcas nas quais confiam, que admiram e com as quais se identificam. É aí que entra a questão do propósito: quanto maior for a identificação com os valores e propostas da marca, mais intensa será a conexão emocional entre quem compra e quem vende.

 

Não foi a toa que na NRF deste ano houve um verdadeiro desfile de propósitos, em diversas apresentações. A Cabela’s, uma loja que vende artigos de caça, pesca e camping, se propõe a ‘inspirar e reforçar os laços entre você e a vida ao ar livre’. A IKEA, rede de móveis e objetos de decoração, pretende ‘criar uma vida cotidiana melhor para muitas pessoas’. O propósito da SONOS, loja da marca de aparelhos sonoros, é ‘preencher cada casa com música’.  A lista é interminável e mostra o quanto hoje propósito é um elemento decisivo para o direcionamento da estratégia das empresas varejistas.

 

Se o trabalho das marcas começa pelo propósito, não se limita a ele, claro. Um estudo apresentado na NRF pela Kurt Salmon mostrou quais são as três principais características que geram devoção a uma marca por parte do consumidor: eles buscam marcas autênticas, que tenham com eles uma relação pessoal e que ajudem a construir a noção de tribo. Vamos dar uma olhada mais atenta a cada uma dessas características?

 

  • Autêntico é, por exemplo, o Eataly, fiel às suas raízes italianas e à paixão pela comida. Lá eu não consigo tomar uma Coca-Cola, por exemplo, porque este refrigerante não é uma marca italiana. Também é autêntica a REI, rede de artigos esportivos para uso outdoor, que há dois anos fecha as portas no Black Friday, fortíssima data de vendas, por acreditar que seus clientes e funcionários não devem passar o feriado na loja caçando pechinchas e sim no meio do mato, respirando ar puro. Mais coerente com o propósito, impossível.
  • Pessoalidade vai bem além de usar a tecnologia para personalizar produtos. Passa principalmente por conhecer e relacionar-se com seus clientes, antecipando os seus desejos. A relação da Starbucks com seus clientes, por exemplo, é bem pessoal. Alguns baristas conhecem você pelo nome – aliás, seu nome é escrito em cada copo para que eles possam chamar você pessoalmente. Também é pessoal a relação do Instituto Beleza Natural, cuja co-fundadora, Leila Velez, esteve com a nossa delegação na NRF. Ao desenvolver produtos específicos para as mulheres com cabelos crespos e ondulados, com preços acessíveis, a BN cumpre seu propósito de ‘promover a felicidade por meio da elevação da auto-estima’.
  • A construção de tribos em torno de marcas é um objetivo ambicioso mas traz resultados poderosos. A Nike ocupa hoje o lugar de uma espécie de clube de pessoas com paixões semelhantes. Mas pequenas empresas, como a Brooklin Kitchen, que vende alimentos e utensílios, e também dá aulas de culinária para pessoas que amam cozinhar, podem também tornar-se tribais. Aliás, um dos conceitos mais interessantes desta NRF foi apresentado por Kevin Kelley: o ‘efeito fogueira’. Ou seja, tornar a loja ou o shopping center um lugar onde as pessoas voluntariamente escolhem para encontrar amigos ou conhecidos. O ‘efeito fogueira’ tem tudo a ver com a construção do conceito de tribos.

 

Isso significa que o propósito deve materializar-se por meio de experiências autênticas, capazes de construir relacionamento e tribos.

Por fim, devo confessar que, ao final deste Retail Big Show 2017, fiquei com a sensação de que há algo realmente curioso em curso. Por que, se de um lado as marcas insistem em falar de globalização, de outro ganha força a ideia da ‘glocalização’ (mistura de conceito global com identidade local). Ao mesmo tempo em que as empresas lutam para ganhar escala, de outro o consumidor encanta-se com a customização de produtos e serviços. Quando o povo de tecnologia parece ter conseguido finalmente viabilizar robôs e implantar soluções de realidade aumentada e virtual nas lojas, os clientes passam a demandar mais relacionamento interpessoal. A luta pela lucratividade dos negócios coexiste com um estímulo do consumidor para que as marcas invistam em ações de generosidade. Em resumo, forças aparentemente antagônicas estão convergindo, orientadas por propósito.

 

A complexidade deste cenário vai exigir, sem dúvida, ciência e habilidade por parte do varejista. Resta pouca dúvida, no entanto, de que terão mais sucesso no futuro marcas generosas, comandadas por líderes altruístas. Quem viver, verá.

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui