A maior exposição sobre o varejo – Parte 2

691
[tempo para leitura: 4 minutos]

O que é apresentado pelos quase 2.400 expositores de 61 países na Euroshop, evento que aconteceu em Dusseldorf no começo deste mês, tem um significado adicional, pois mostra o que está ou estará disponível para empresas varejistas de todos os segmentos, canais e formatos, alimentar e não-alimentar usarem para oferecerem ainda mais alternativas para atraírem e reterem consumidores. Representa a antecipação da inovação futura que irá formar e forjar novos comportamentos e demandas desses mesmos consumidores.

De fato é possível antever o comportamento futuro de mercado, a partir da oferta do que estará disponível de Instalações, Equipamentos, Serviços, Tecnologia, Analytics, Promoção no Ponto de Venda, Iluminação, Arquitetura, Design e Comunicações, pois sua disponibilidade e uso pelas organizações de varejo irá desenhar o consumidor que estará nos diferentes formatos de lojas e canais de relacionamento e vendas num futuro muito próximo.

A oferta reconfigura a demanda e, se queremos enxergar o consumidor do futuro próximo, podemos imaginá-lo a partir do que lhe será oferecido e o que terá ao seu alcance.

Nesse aspecto, alguns elementos podem ser extraídos das visitas feitas que, sem a pretensão de esgotar o elenco de alternativas, configuram alguns dos aspectos mais marcantes, seja reforçando percepções anteriores ou criando novas e mais desafiadoras perspectivas.

 

Eis uma síntese desses principais movimentos:

  1. Nova era na comunicação visual e no design exponenciados pela tecnologia. A multiplicação de alternativas combinadas de elementos visuais e de design com recursos tecnológicos amplifica de forma exponencial as alternativas no repensar de lojas, espaços, centros de compras e novos canais de vendas e relacionamento;

 

  1. Personalização para descomoditizar. O que era iniciativa precursora de alguns se torna cada vez mais um recurso fundamental para diferenciar, customizar e, principalmente, descomoditizar, permitindo melhoria da experiência e de resultados. E o aspecto mais interessante é a ampliação das alternativas em custo, tamanho e requisitos operacionais;

 

  1. A sustentabilidade cada vez mais presente como requerimento fundamental. Nas propostas envolvendo equipamentos, instalações e operações, o tema magnetiza as preocupações que são cada vez maiores e isso fica mais claro na realidade, principalmente da Europa. Qualquer iniciativa que não tenha algum vínculo com sustentabilidade já perde apoio e atenção;

 

  1. Frescor, natural e local. De alguma forma vinculado com a sustentabilidade, esses conceitos crescem de importância e são crescentemente valorizados especialmente em tudo que disser respeito à alimentação, mas de forma ainda mais abrangente, envolvendo outras categorias de produtos;

 

  1. Nova geração de equipamentos interativos e digitais. A tecnologia exponencia alternativas em absolutamente tudo envolvendo lockers, plataformas de pagamentos, gôndolas, mesas de exposição, totens, comunicação de preço, disponibilização e expansão de informações, personalização, reciclagem e tudo o mais que faz parte do universo das lojas, espaços de vendas e dos centros de abastecimento e logística;

 

  1. Novas formas, conceitos e ousadia nos materiais de PDV, envolvendo água, luz, formas, cheiros, movimentos e, principalmente, muita tecnologia embarcada proporcionado e gerenciando essas alternativas para tornar a experiência e a operação cada vez mais envolventes e marcantes;

 

  1. A integração digital e de canais no PDX. O conceito PDX foi proposto como resultado de tudo que tem sido visto como evolução do antigo PDV. É a loja que é tudo (“X”) e que até vende. A multiplicação de alternativas para integração de canais com personalização do relacionamento para diferenciar o atendimento é um dos elementos mais relevantes no redesenhar do cenário presente e futuro de negócios;

 

  1. A ativação digital no PDX como protagonista da nova loja. Todo o conceito de Ativação Digital no PDX está sendo revisto e ampliado a partir das experiências que os consumidores desenvolvem no ambiente do e-commerce e a profusão de alternativas que envolvem preços, comunicação, individualização das promoções e relacionamento tem uma variedade enorme de oferta para atender as mais diversas demandas;

 

  1. Identificação e individualização – uso de sistemas que, a partir da biotipologia identificam, clusterizam e segmentam o consumidor que passa na frente do espaço e que circula na loja, criam um novo universo de possibilidades para aplicações, como análise e aferição de perfis e ações de relacionamento;

 

  1. Mensuração da satisfação e avaliação de ROI. Novas plataformas que avaliam e mensuram a satisfação dos consumidores, como elementos qualitativos que complementam as alternativas quantitativas, para efetiva medida do Retorno dos Investimentos realizados, aproximando cada vez mais o universo físico do que é possível no ambiente digital;

 

  1. Um capítulo à parte na iluminação. A multiplicação de alternativas envolvendo a iluminação cada vez mais teatral e cênica e ao mesmo tempo mais racional no tópico iluminação é um dos elementos mais marcantes no conjunto das percepções;
  1. A força que vem da Ásia. A forte presença de expositores com marcantes e acessíveis inovações nos diversos universos que compõem o mundo do varejo que vem da Ásia, em especial da China. Seu efeito mais objetivo é a ampliação de alternativas, o aumento da competitividade e a redução de custos,  com  todos seus pontos positivos e negativos que isso poder gerar para os diversos agentes que atuam nesse mercado.

 

Como comentamos, esses 12 pontos, longe de tentar esgotar o universo de conceitos expostos, tenta apenas ordenar e sintetizar o que a maior e mais importante exposição especializada de insumos para o varejo pode ensinar.

Vale a pena colocar na agenda de 2020.

Nota. Esse artigo completa o que foi publicado na semana passada com os temas que emergiram como mais relevantes a partir dessa análise da oferta que impulsionará as inovações no varejo.

E no Latam Retail Show 2017, no Center Norte em São Paulo, de 29 a 31 de Agosto, será apresentado o conteúdo que analisa e discute as tendências e as práticas em todos os negócios, canais, segmentos e formatos envolvendo varejo alimentar e não-alimentar, franquias, shopping centers, comércio eletrônico e food service, combinando de forma única as ofertas de conteúdo e exposição feitas na NRF e na Euroshop e ajustadas à realidade latino-americana e brasileira. Mais informações: congresso@latamretailshow.com.br

Deixe uma resposta