O 1º trimestre já se foi, saiba agora como o varejo se comportou

1259
[tempo para leitura: 2 minutos]

Nem parece, mas já deixamos para trás mais de 1/4 do ano e os resultados dos indicadores econômicos e do varejo mostram que as previsões para o ano estão alinhadas – pelo menos por enquanto – com os resultados do período.

Conforme previsto, os principais indicadores macroeconômicos que norteiam o varejo e o consumo apresentaram estabilidade ou melhoria (na verdade desaceleração da queda).

Confiança: depois de atingir o pior patamar em Abr/16, o índice de confiança do consumidor recuperou parte da sua perda principalmente devido à confiança futura, o consumidor acredita que o cenário econômico irá melhorar, mas ainda não sentiu essa melhoria no dia a dia.

img1
Clique para ampliar

Disponibilidade de Renda: assim como o previsto a inflação desacelerou e com grande probabilidade fechará o ano próxima ao centro da meta de 4,5%, excelente notícia uma vez que a capacidade de compras dos brasileiros é preservada com a baixa inflação.

img2
Clique para ampliar

Massa Salarial: com o arrefecimento da inflação e menor crescimento do desemprego, a massa salarial (estimativa da soma dos salários dos brasileiros por mês) deixou de cair e apresenta estabilidade.

img3
Clique para ampliar

Emprego: esse indicador é sempre o último a reagir uma vez que há capacidade produtiva ociosa na economia brasileira atualmente e os empresários precisam de sinais muito claros para retomar os investimentos. Assim como esperado, a tendência ainda é de alta para 1º trimestre, piora menor ou estabilização no 2º e 3º trimestres e início da retomada no 4º trimestres desse ano.

img4
Clique para ampliar

Os indicadores acima confirmam as tendências que esperávamos, um primeiro trimestre de desaceleração das pioras dos indicadores, seguido pela estabilização e leve melhoria nos 2º e 3º trimestres e uma aceleração da retomada no 4º trimestre.

img5
Clique para ampliar

Vale lembrar que essas são as expectativas com o cenário atual, mas que evidentemente estão sujeitas a choques positivos e negativos que mudariam tais perspectivas.

1 COMENTÁRIO

  1. Prezado Marcos – muito bom seu artigo chamando atenção para o custo social da corrupção. Como atuo bastante na área de integridade e ética empresarial, lembro sempre em minhas palestras, consultorias e textos, que se queremos eliminar a corrupção pública é preciso cortar a corrupção privada – propinas, jeitinhos, quebra galho, cola nas provas etc.As pequenas infrações são o germe da grande corrupção.
    Abraço

Deixe uma resposta