Com modelo de gestão do Vale do Silício, Netshoes reestrutura área de TI

1026
[tempo para leitura: 2 minutos]

Empresa unifica áreas separadas em Produto, Desenvolvimento BackEnd e FrontEnd para ganhar agilidade e produtividade. Próximo passo é otimização dos processos e criação de novas plataformas

André Petenussi, diretor de TI da companhia, comandou o processo de reestruturação da área, que durou um ano. Objetivo é ganhar escala, sinergia e alinhamento estratégico. 

Cultura ágil

Para tocar essas frentes de trabalho, o diretor reorganizou a equipe em times orientados tanto vertical, quanto horizontalmente.

Verticalmente, a empresa dividiu os colaboradores em squads, grupos formados por pessoas com especialidades diferentes e focadas em features especificas do negócio – catálogo, ferramentas de marketing, SEO, busca, lojas parceiras, checkout, frete, preço, marketplace, app.

“Em todos os times de desenvolvimento temos pessoas de diferentes skills – product owner, scrums másters, Devs – e cada time tem como objetivo a evolução de um ou mais produtos diretamente relacionados a uma parte do negócio da empresa. Dessa forma, conseguimos ser mais ágeis e mais relevantes ao negócio simplesmente por deixarmos de ter uma estrutura software oriented, e colocarmos o cliente no centro de toda e qualquer inovação”, explica Petenussi.

Horizontalmente, as equipes são organizadas por suas habilidades e/ou por seus interesses, com o objetivo de compartilhar melhores práticas, ideias, experiências e desafios entre pessoas que desempenham funções similares.

Autonomia e Inovação

Com esse movimento, a empresa passou a permitir que pessoas trabalhassem com mais autonomia, estimulando a criatividade, com o objetivo de obter resultados mais inovadores. O novo modelo também promove um ambiente mais aberto de conversa e troca, e otimizando o trabalho da equipe como um todo – hoje, a área de TI é formada por cerca de 270 funcionários.

Experimentação 

A nova estrutura também promoveu uma infra com maior capacidade de experimentação. Como os times têm mais autonomia e trabalham os projetos de maneira mais independente, hoje, é possível promover testes periódicos de estresse e também testes A/B, nos quais o tráfego para uma página específica é dividido em duas ou mais versões, com o objetivo de medir qual alternativa alcança uma maior taxa de conversão ou receita por visita.

“Com a reestruturação, nos aproximamos do modelo de gestão utilizado pelas grandes empresas digitais da região do Vale do Silício. O nosso objetivo é otimizar o trabalho de toda a equipe, tornar o sistema mais ágil e elevar a qualidade do serviço prestado ao consumidor, que no fim, tem que ser sempre o maior beneficiado”, afirma Peternussi.

Após a reestruturação, o próximo passo é o fortalecimento e o desenvolvimento de novas plataformas, desenhadas sob medida para atender às necessidades específicas de negócios da Netshoes e da Zattini, além de outras lojas das quais a empresa cuida da operação.

A companhia conta com mais de 2,5 mil colaboradores e atua com operações próprias no Brasil, Argentina e México. Além de operar mais de 20 e-commerces na região, como as lojas oficiais da NBA, NFL, UFC e Puma, e dos principais clubes de futebol dos países em que está presente, como Corinthians, São Paulo, Palmeiras, River Plate, Chivas, América do México, entre outros.

 

Deixe uma resposta