Criador do eBay investe em startup brasileira que fiscaliza a qualidade das políticas públicas

1052
Pierre Omidyar, founder and chairman of the board of eBay, speaks at the eBay Developer's Conference in Boston, Massachusetts, Wednesday, June 13, 2007. (Photo by JB Reed/Bloomberg via Getty Images)
[tempo para leitura: 2 minutos]

A startup Colab.re, presente em mais de 130 prefeituras e com mais de 150 mil usuários, recebeu aporte de R$ 4 milhões

O bilionário francês, Pierre Omidyar, criador do site de comércio eletrônico eBay, investe pela primeira vez em políticas públicas no Brasil, por meio do Omidyar Network, maior fundo de impacto social do mundo, criado pelo empreendedor do setor de tecnologia.

O aporte tem o propósito de incentivar a transparência e a retomada da confiança da população com o governo, já que a startup fiscaliza a qualidade dos serviços públicos e incentiva a tomada de decisões do governo com base na participação popular.

Com o recurso, a startup já planeja o desenvolvimento de novas ferramentas de engajamento para os cidadãos e de inteligência para governos, como mecanismos tecnológicos de análise da satisfação e do sentimento da população com os serviços e instituições públicas, de dispositivo de avaliação de políticas públicas em tempo real e de sistema de gamificação, que premiará os usuários da rede social que mais contribuírem com a melhoria das cidades.

Para Bruno Aracaty, cofundador da startup, o investimento tem ainda um valor simbólico muito importante para os empreendedores brasileiros.

“Somos uma empresa que tem como missão transformar os governos e passamos por esse processo de captação de investimento em meio a maior crise dos últimos 20 anos, processo de impeachment, escândalos de corrupção e eleições municipais. Esses fundos internacionais terem acreditado no que estamos fazendo possui um significado especial e só comprova a nossa tese de que não adianta reclamar, é preciso fazer acontecer”, conclui.

Modelo de Negócio

A startup fechou 2016 com 130 clientes ativos, a maioria prefeituras, como Santos e Campinas, em São Paulo, e Niterói, no Rio de Janeiro. Em 2017, a meta é chegar a 200 cidades, estrear a adesão de governos estaduais, e ultrapassar 500 mil usuários cadastrados – três vezes mais que os 150 mil atuais.

Seu modelo de negócios consiste no fornecimento de soluções tecnológicas para gestão inteligente das cidades, com foco na solução de demandas e zeladoria urbana.

Zeladoria Urbana

Na web (www.colab.re) e em aplicativos Android e iOS, os cidadãos podem fiscalizar 80 áreas, como focos de mosquitos, calçadas e iluminação, por meio da geolocalização de smartphones e tablets, e de fotos.

A partir daí, agentes públicos acompanham em tempo real o painel de monitoramento da plataforma, a fim de mapear reivindicações, gerar números de protocolos para acompanhamento e para mobilizar equipes para solucionar os casos reportados. Há situações em que cidades filtram as informações por regiões, bairros ou ruas com intuito de promover mutirões específicos para combater ocorrências populares.

Orçamento Colaborativo Digital

Essa ferramenta permite que prefeituras promovam consultas sobre temas-chave das cidades pelo aplicativo, a fim de legitimar as prioridades dos investimentos públicos.

Segundo a startup, no ano passado, a Prefeitura de Santos destinou R$ 10 milhões para o orçamento participativo digital, que alcançou mais de 10 mil votos, 32 vezes mais que o modelo tradicional. Já Campinas colocou nas mãos dos habitantes a decisão de investir R$ 1 milhão e o projeto vencedor prevê a implantação de um centro de aprendizado de costura industrial na cidade, para que empreendedores do segmento de confecção tenham a oportunidade de atuar como empregados na indústria do setor, individualmente ou em cooperativas.

Com tais iniciativas a plataforma foi eleita, em 2016, o Negócio de Maior Impacto Social do Mundo e a Startup de Maior Potencial Global pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e, em 2015, um dos melhores aplicativos de governo do mundo, pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Deixe uma resposta