Dia dos Namorados deve injetar R$ 11,5 bilhões na economia, projeta pesquisa

470
[tempo para leitura: 3 minutos]

92 milhões de brasileiros devem ir às compras na última data comemorativa do primeiro semestre, de acordo com pesquisa. Apenas 9% pretendem gastar mais com presentes do que em 2016. Pagamento à vista é escolha de 69% dos consumidores

Ainda que o número de pessoas interessadas em presentear alguém seja alto, a maior parte dos compradores não deve aumentar os gastos na comparação com o ano passado. 

  • Apenas 9% desses consumidores disseram que têm a intenção de gastar mais com os presentes;
  • 32% planeja gastar a mesma quantia que em 2016;
  • 24% pensam em diminuir
  • os consumidores indecisos somam 16%.

Reflexo da crise

A principal justificativa para 44% dos entrevistados que vão gastar menos no Dia dos Namorados é uma situação financeira ruim, com orçamento apertado.

Em seguida, 37% pretendem economizar, 25% devido ao aumento da inflação e da economia instável e 18% por causa de dívidas em atraso.

Dentre a minoria, que pretende aumentar os gastos com presentes, o desejo de comprar um produto melhor (56%) e o encarecimento dos presentes (40%) são os mais mencionados.

Apenas 8% disseram que vão gastar mais porque tiveram melhoria na renda.

Gasto médio com presentes deve ser de R$ 124 e 69% vão pagar à vista

O pagamento a vista será o meio mais utilizado pelos consumidores, citado por 69% da amostra, sendo que em 56% dos casos o pagamento será em dinheiro e em 13%, no cartão de débito. O cartão de crédito será usado por 24% dos entrevistados, seja em parcela única (9%) ou em várias parcelas (15%). Entre os que dividirão as compras, seja no cartão de crédito ou de loja, a média é de três prestações por entrevistado.

Considerando a soma de todos os presentes adquiridos, o gasto médio deve girar em torno de R$ 124. Este valor aumenta para R$ 158 entre os entrevistados das classes A e B e diminui para R$ 114 entre os respondentes das classes C, D e E. Vale destacar que metade dos entrevistados (50%) ainda não sabe ou não decidiu o quanto vai gastar com o mimo da pessoa amada.

Roupas, perfumes e calçados lideram a preferência de compra

Os presentes mais procurados por quem vai presentear serão:

 

  • roupas (30%)
  • perfumes, cosméticos e maquiagem (18%)
  • calçados (11%)
  • acessórios como cinto, óculos e bolsas (9%)
  • flores (7%)
  • bombons e chocolates (5%)
  • jantares (4%)
  • celulares e smartphones (3%)

O estudo buscou identificar não apenas os presentes mais procurados por quem vai presentear, como detectar também os presentes que o consumidor mais gostaria de receber no Dia dos Namorados. A ordem é a mesma: roupas (23%), perfumes (15%), calçados (10%) e acessórios (9%), que também lideraram o ranking da relação de presentes mais desejados.

Locais de compras

Quanto aos locais de compras, os shopping centers são os destaques, com preferência de quase um terço (32%) dos entrevistados. As lojas de rua (22%), shopping populares (10%), lojas de departamento (7%) e lojas on-line pela internet (4%) completam a lista.

Para escolher o local, os fatores mais decisivos são o preço (56%), a qualidade dos produtos ofertados (37%) e as promoções e descontos (32%). Cerca de 36% pretendem fazer as compras de última hora, apenas nas vésperas do Dia dos Namorados.

No dia

A maior parte dos entrevistados (37%) pretende comemorar a data em sua própria casa. A comemoração em restaurantes foi a opção escolhida por 22% dos entrevistados e 8% vão optar pela casa do namorado(a). Dois em cada dez entrevistados (19%) ainda não sabem ou não decidiram onde vão celebrar a data.

 

Foram ouvidos, pessoalmente, 883 consumidores de ambos os gêneros, acima de 18 anos e de todas as classes sociais nas 27 capitais do país. Para avaliar o perfil de compra, foram considerados 600 casos da amostra inicial que têm a intenção de comprar presentes. A margem de erro dessa amostra é de no máximo 4,0 pontos percentuais a uma margem de confiança de 95%. 

Fonte: pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em toda as capitais brasileiras

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui