Metade dos pequenos empreendedores tem ensino superior no Brasil

415
Portrait of handsome young businessman working in the office.
[tempo para leitura: 2 minutos]

Pesquisa revela que categoria é formada, majoritariamente, por empresas de até duas pessoas, predominantemente no segmento de serviços

O estudo, que teve como objetivo traçar o perfil e investigar os principais desafios dos pequenos empreendedores com ênfase na categoria MEI (Microempreendedor Individual), revelou que 49% dos empreendedores brasileiros possuem ensino superior completo (dos quais 18% têm pós-graduação ou doutorado) e 17% possuem formação técnica.

Dentre o grupo pesquisado, 62% são do sexo masculino e 59% têm entre 25 e 44 anos.

MEI

A categoria de Microempreendedores Individuais (MEI) soma mais de 6,5 milhões de participantes: 50% dos entrevistados têm faturamento de até R$ 60 mil por ano, teto da categoria MEI. Entre eles, 21% faturam menos de R$ 15 mil; 12% entre R$ 15 e R$ 30 mil; 9% estão na faixa de R$ 30 a R$ 40 mil; e 8% entre R$ 40 e R$ 60 mil.

Áreas de atuação

Seguindo as tendências internacionais de empreendedorismo, o setor de serviços se destaca no Brasil: 42% dos empreendedores se encaixam nesse segmento, sendo que cerca de 25% trabalham com serviços ou consultoria de tecnologia da informação. Em seguida, estão os serviços de contabilidade ou jurídicos empatados com reparos domésticos ou automotivos, ambos com 12% da fatia. Depois, vem educação e serviços pessoais (ambos também com 7%) e assessoria no geral (5%).

O varejo é o segundo maior segmento, com 18% das menções, destaque para vestuário e acessórios, área de 39% dos varejistas. O próximo setor mais citado é o de alimentos, bebidas e hotelaria, com 15%. Dentro dessa categoria, cafeterias, restaurantes ou padarias representam 33% do bolo, e os serviços de buffet, 20%. Saúde e beleza aparece em terceiro lugar entre os segmentos, com 10% das menções, onde 40% são representados por cabeleireiros, barbeiros e SPA. Por último, está a categoria de lazer e entretenimento com 9%, quase a metade deles, 44%, com foco em artesanato.

Meios de pagamento

Em relação aos meios de pagamentos, a maioria (53%) dos entrevistados aceita pagamentos com cartão. Com metodologia de múltipla escolha, 61% dos respondentes apontaram a importância de oferecer mais opções para os clientes, 53% elencaram a praticidade e 43%, a segurança.

Os motivos mais citados para venderem com cartão são a tecnologia (36%), o grande volume de vendas perdidas (31%), o fato de concorrentes já oferecerem essa forma de pagamento (20%), evitar calotes (10%), influência de propagandas na TV (7%) e indicação de amigos (5%).

Entre os que não aceitam cartão como meio de pagamento (47%), a maioria é autônoma sem registro (66%) e justifica que os clientes não efetuam pagamentos dessa forma (34%) ou que o negócio ainda é novo (20%). O aluguel caro das máquinas e as altas taxas de transações são apontados como barreiras por 33% dos entrevistados que não aceitam cartões.

 

O estudo foi realizado pela Qualibest, com 831 entrevistas presenciais e online, nas cinco regiões do Brasil, encomendado pela iZettle.

Deixe uma resposta