Vendas a prazo no Dia dos Pais caem -2,18%, mas ritmo da retração desacelera, aponta indicador

695
[tempo para leitura: 1 minuto]

Desde 2014 varejo apresenta quedas nas principais datas comemorativas. Com desemprego e crédito seletivo, brasileiros tendem a diminuir os gastos

As vendas a prazo na semana do Dia dos Pais caíram -2,18% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados apurados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Apesar de ser o quarto ano consecutivo em que o indicador fica no negativo, a retração foi menos intensa que o verificado anteriormente. Nos últimos anos, as variações haviam sido de -7,15% (2016), -11,21% (2015), -5,09% (2014), +3,78% (2013), +4,75% (2012), +6,86% (2011) e +10% (2010).

O indicador mostra que, com exceção da Páscoa que apresentou alta de 0,93%, o resultado do Dia dos Pais foi o melhor para uma data comemorativa em 2017, uma vez que tanto no Dia das Mães como no Dia dos Namorados as quedas foram ainda maiores, de -5,50% e -9,61%, respectivamente.

O Dia dos Pais é a primeira data comemorativa do segundo semestre e, embora não movimenta cifras tão volumosas como no Natal, Dia das Mães e Dia dos Namorados, funciona como um termômetro para as próximas datas, como Dias das Crianças e o próprio Natal.

Segundo uma pesquisa de intenção de compras feita pelo SPC Brasil, os produtos mais procurados neste período seriam as roupas, perfumes, calçados e acessórios masculinos, como cintos, óculos, carteiras e relógios.

Metodologia

O cálculo de vendas a prazo é baseado no volume de consultas realizadas ao banco de dados do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) entre os dias 6 e 12 de agosto deste ano comparado com a semana anterior ao dia dos pais de 2016.

Deixe uma resposta