Comércio eletrônico deve faturar R$ 2,9 bi com o Dia das Mães

618
[tempo para leitura: 2 minutos]

O comércio eletrônico deve movimentar R$ 2,9 bilhões no Dia das Mães, de acordo com previsão da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico. Segundo a entidade, a data, que é considerada a segunda mais importante para o varejo, deve ter um crescimento de 17%, na comparação com o mesmo evento do ano passado.

A ABComm estima que cerca de 8,7 milhões de pedidos sejam realizados no período de 23 de abril a 11 de maio, com um tíquete médio de R$ 332. As principais categorias de produtos a serem buscados na data são Moda, Cosméticos, Eletrodomésticos, Flores, Casa e Decoração.

De acordo com Mauricio Salvador, Presidente da ABComm, o sentimento de retomada da economia, mesmo que ainda lento, faz aumentar a confiança dos consumidores. “Sendo uma das datas mais importantes para o varejo, é esperado que os consumidores aproveitem a melhora no momento econômico para ir às compras, especialmente em um momento de inflação baixa”, afirma.

O e-commerce de flores Giuliana Flores, espera um aumento expressivo da demanda. A expectativa da varejista é de um crescimento de mais de 30% nas vendas em relação ao mesmo evento de 2017. Isso representa uma média de 20 mil itens entregues, entre os dias 6 e 13 de maio, frente aos 15 mil do ano passado. O tíquete médio deve girar em torno de R$ 160.

“É o período mais relevante do nosso calendário, representando 65% do faturamento do mês de maio e 8% do anual”, falou Juliano Souza, diretor de marketing da Giuliana Flores.

A Tray, unidade de comércio eletrônico da Locaweb, também vê a data com bons olhos. De acordo com levantamento realizado pela companhia, o valor total em vendas dos e-commerces deve crescer 35% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Tanto no Dia das Mães de 2016 como 2017, também houve aumento no faturamento de 38,33% e 39,91%, respectivamente. Já o número de pedidos apresentou acréscimo de 28,41% e 30,70% nos últimos dois anos.

O executivo Willians Marques, diretor-geral da Tray, acredita que os sinais de melhora na economia e a queda dos juros são outros fatores que devem fazer com que os consumidores comprem mais, impactando diretamente no crescimento do número de pedidos e no ticket médio.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui