EMPRESAS QUE FAZEM MAIS COM MENOS – Eficiência operacional sem perder de vista a inovação

1864
[tempo para leitura: 3 minutos]

Posicionamento estratégico e foco na execução

Valorizo o pensamento de que a eficiência operacional não é o oposto da inovação e modernização. Não se tem longo prazo se o resultado não vier agora. Inovação te leva para o futuro, mas sem sustentação a empresa não se desenvolve e pode morrer. Sou fã das empresas que fazem “mais com menos” e alcançam o equilíbrio entre eficiência operacional e inovação. E isso tem total relação com posicionamento estratégico, foco na execução e, consequentemente, a multipolarização nos negócios.

A multipolarização nos negócios

Um tema importante no ambiente de negócios e no varejo com um todo, é a multipolarização. O ambiente de varejo está mudando em ritmo veloz, como consequência do cenário atual, mais plural e diverso. Um resultado importante dessa transição, que afeta diretamente as lojas, é a polarização entre o varejo que oferece VALOR e aquele que investe em DIFERENCIAÇÃO. Além destas duas vertentes, uma terceira começa a despontar, impulsionada pelas demandas cada vez mais complexas dos consumidores, baseada em SOLUÇÃO. Desta forma, configura-se a multipolarização do varejo, envolvendo VALOR, DIFERENCIAÇÃO e SOLUÇÃO.

De alguma maneira, esses três polos geram modelos próprios, cada um deles com suas características e pressupostos. Os negócios posicionados à margem desses polos, tendem a perder relevância e assumem maiores riscos. Este tema teve início no artigo do Marcos Gouvêa de Souza e aproveito o conceito amplamente comentado no artigo para destacar aqui as principais características das empresas posicionadas no vetor VALOR:

  • Preço inferior à média do mercado
  • Alta eficácia operacional
  • Alto investimento em tecnologia
  • Pouco investimento em pessoas
  • Oferece o básico bem feito
  • Entrega o que promete
  • O consumidor não tem dúvida do que vai encontrar
  • Pautado pelas necessidades dos consumidores – mais razão que emoção
  • Não atende somente público de baixa renda – um equívoco pensar diferente disso

E como isso acontece na prática?

Na escolha certa do sortimento de produtos e alocação nas lojas corretas, garantindo com isso o atendimento às necessidades dos consumidores alvo;

Na definição de um modelo de abastecimento e reposição eficientes, integrados e sem gargalos na cadeia;

Com a liderança unida na visão para acelerar os passos e obter os resultados. Com equipe sabendo exatamente o que tem que ser feito. Gestores no chão de loja e com o mínimo de atividades burocráticas e, muitas vezes, cobrindo mais de uma loja;

Com suporte de processos simples, ferramentas e automação para suportar o atendimento, a venda e as rotinas em lojas, visando o aumento da produtividade da equipe e redução de despesas. Para os negócios que operam Food Service em loja, o caminho é a centralização da manipulação, uso de equipamentos modernos para finalização do produto e consumo em loja;

Na clareza nas metas e métricas que condicionam a equipe e tem como foco a venda e a satisfação do cliente;

Em lojas compactas e integradas digitalmente com outros canais de vendas e relacionamento;

Na redução do capex e opex da loja sem perder a essência do projeto arquitetônico e experiências relevantes na jornada de compra. Essa frente é de extrema importância e condiciona o uso de materiais mais baratos e inteligentes. Onde o mobiliário é apoio, pois o protagonista sempre será o produto. Explora o uso de iluminação natural quando possível. Baixo custo de manutenção e, principalmente, que a limpeza não necessite de profissionais especializados;

No fim dos caixas/ check-outs como conhecemos hoje;

Atuando melhor que a concorrência;

E, para encerrar, prioridade onde tem o maior ROI (retorno sobre os investimentos) para as escolhas certas.

 

Notas:

1- Em 30 de agosto, durante o Latam Retail Show, no Expo Center Norte, em São Paulo, haverá um painel com três empresas que buscam o equilíbrio entre eficiência operacional e inovação em seus negócios e mercados de atuação. Nele, teremos a oportunidade de exploram ainda mais os conceitos contidos neste artigo. As empresas presentes serão:

Brascol – Loja de atacado de vestuário e acessórios para bebê e infantil. A empresa precisa ser muito ágil e rápida no processo de atendimento e vendas para seu público alvo. Por conta disso, buscou apoio na tecnologia de RFID para aumentar a produtividade em loja = vender mais.

Carrefour Express – Loja de conveniência e proximidade que vem ganhando rapidamente o gosto dos consumidores dos grandes centros, principalmente na cidade de São Paulo. A “laranja mecânica”, como dizem alguns, vai nos contar como trabalham para aumentar a produtividade = vender mais.

Cencosud Colômbia – Tem uma rica experiência que mescla muito bem a eficiência e produtividade por meio do uso da tecnologia, revisão de processos e gestão. E vai dividir esse caso de sucesso conosco.

2- Nós da GS&Consult somos experts em varejo e relações de consumo. Estamos comprometidos em ajudar as marcas a avaliar e superar esses desafios e apoiamos no desenvolvimento de suas estratégias e na construção de suas operações de varejo e distribuição. Saiba mais no nosso site www.gseconsult.com.br

*Imagem reprodução

2 COMENTÁRIOS

    • Denis,
      Em primeiro lugar obrigado pelo interesse. No artigo do Marcos (link consta no meu artigo) ele cita exemplos de empresas em cada vetor. Aqui destaco para você as principais características dessas empresas.

      VETOR DIFERENCIAÇÃO:
      – Produto e serviços superiores
      – Entrega experiências deslumbrantes
      – Possui maior elasticidade de preços
      – Serviços são utilizados para compor a equação de valor
      – Tecnologia orientada para produzir experiência e destacar a diferenciação de produto
      – Alto investimento em pessoas
      – Atendimento feito por especialistas e não vendedores

      VETOR SERVIÇOS:
      – Serviços são necessariamente cobrados dos clientes
      – Alta especialização da equipe
      – Possui maior elasticidade de preços
      – Permite margens maiores
      – Quando for expansão de negócios, pressupõe sinergia com o negócio principal
      – Tecnologia não é determinante, embora possa ajudar

      Fique à vontade em escrever. Se preferir meu e-mail é alexandre@gseconsult.com.br

      Estou à disposição caso queira evoluir no tema.

Deixe uma resposta