Carlos Wizard investirá R$ 150 milhões na expansão da marca Topper

11232
[tempo para leitura: 2 minutos]

Após anunciar a aquisição de 22,5% da Topper na Argentina, a BR Sports, empresa especializada em marcas esportivas, pertencente a Carlos Wizard Martins, colocará em prática um plano de expansão internacional. O objetivo é investir pelo menos R$ 150 milhões nos próximos cinco anos, a fim de levar a Topper para novos mercados nas Américas, Europa e Ásia.

“A compra dos ativos na Argentina nos permitirá competir em novos mercados. O objetivo é iniciar a expansão da marca imediatamente em outros países da América do Sul, como Chile, Uruguai, Colômbia e Peru, contando com bons parceiros locais”, afirmou Charles Martins, presidente do Conselho de Administração da BR Sports.

“Em um segundo momento, a expansão para os países europeus, Estados Unidos e China também está nos planos, inclusive por meio de patrocínio a clubes, estratégia que a Topper vem implementando com sucesso no Brasil”, ressaltou. Atualmente, a companhia é parceira de 12 clubes do futebol nacional, sendo cinco da série A e cinco da série B do Campeonato Brasileiro, além de fornecer as bolas das séries B, C e D do torneio.

A aquisição também possibilitará o intercâmbio de conhecimento e produtos entre as operações brasileira e argentina. “Traremos para o Brasil alguns dos sucessos da marca na Argentina, onde a marca é líder de mercado e comercializa mais de 5 milhões de pares de calçados por ano”, afirmou Martins.

Com o objetivo de ampliar o alcance de Topper e Rainha, a BR Sports passará a atuar no Brasil no modelo de licenciamento das duas marcas para fornecedores referendados e capacitados para atender todo o mercado nacional. De acordo com o executivo, a empresa já vinha se preparando para atuar neste modelo, que é bem parecido com as franquias, DNA da família Martins.

“O modelo de licenciamento permitirá que a BR Sports mantenha o foco no desenvolvimento de produtos inovadores e no fortalecimento das marcas, transferindo as atividades de produção e comercialização para as fábricas licenciadas. Dessa forma, haverá uma otimização de conceitos como logística e atendimento ao consumidor, que passará a ser realizado pelos licenciados”, explicou.

*Imagem reprodução

Deixe uma resposta