Consumo compartilhado de produtos e serviços cresce entre os brasileiros

0
577

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que 89% dos brasileiros que já experimentaram alguma modalidade de consumo colaborativo aprovaram o modelo. Apenas 2% dos participantes responderam que ficaram insatisfeitos. A pesquisa ouviu 824 consumidores acima de 18 anos, de ambos os gêneros, de todas as classes sociais e de todas as capitais brasileiras.

De acordo com o levantamento, as modalidades de consumo colaborativo mais utilizadas por aqui são as caronas (41%), aluguel de casas ou apartamentos para temporadas (38%) e aluguel ou compartilhamento de roupas (33%). Outras possibilidades buscadas são as bicicletas (21%), os financiamentos coletivos (16%), coworking (15%) e cohousing (15%).

Pablo José Assolini, sócio-diretor da Cucas Conteúdo, está entre os brasileiros que utilizam o consumo colaborativo. O espaço de trabalho ocupado por ele e sua empresa é socializado desde 2016, o que permite o convívio com outras companhias de diferentes setores, como tecnologia, personal styling e também com uma agência de inbound marketing.

“Acho que o modelo é mais inteligente e tem melhor custo-benefício, apesar do metro quadrado custar mais do que o de uma sala convencional de um prédio comercial, por exemplo. No nosso caso, conseguimos a redução de cerca de 30% nos custos fixos”, afirmou Pablo. Ele ressalta que a economia não acontece apenas no valor do aluguel do espaço, mas também no condomínio, energia elétrica, ar-condicionado, profissional de limpeza e produtos, impostos, seguro, entre outros.

“No coworking esses custos são rateados. Além da questão financeira, tem o fator tempo. Como as questões operacionais do local estão nas mãos do gerente, você ganha mais tempo para focar no seu negócio, no desenvolvimento do trabalho, atendimento ao cliente, cuidados com a equipe. Você só percebe isso quando compartilha. E tempo hoje em dia é tudo”, falou o executivo.

Para 81% das pessoas que responderam à pesquisa, o compartilhamento torna a vida mais fácil e funcional e 71% acham que possuir muitas coisas em casa mais atrapalha do que ajuda. Economizar tempo, ajudar outras pessoas, conhecer gente nova e viver de forma mais sustentável estão entre os motivos para optar pela economia compartilhada.

“Já compartilhei impressora e outros equipamentos, já vendi e comprei serviços de parceiros do coworking, já indiquei profissional e pedi indicação, enfim, é um mundo de possibilidades. Mas é preciso estar aberto, ter essa mentalidade colaborativa. Se você consegue baixar seu custo fixo, ganha competitividade, e isso também é fundamental no mundo dos negócios.”

Na pesquisa, a CNDL e o SPC Brasil também procuraram descobrir quais são os tipos de economia compartilhada que os brasileiros não experimentaram nem querem experimentar. O aluguel de itens para casa e utensílios da cozinha são indesejáveis para 15% dos entrevistados. A avaliação ainda evidencia que a maior parte das modalidades de consumo compartilhado foram conhecidas pela internet, especialmente os financiamentos coletivos, aluguel de itens esportivos e compartilhamento do espaço de trabalho, empatados com 43% dos apontamentos.

Mas as novas formas de economia compartilhada que incluem aluguel, compra, venda, empréstimos e favores ainda encontram um sério desafio: 51% dos entrevistados responderam que falta de confiança nas outras pessoas é o principal entrave para procurarem os serviços. O medo de estranhos e a possibilidade de não cumprimento do acordo foram mencionados como motivos importantes para rejeitar contratos de colaboração.

“Trata-se de um consumo mais consciente, é mais acesso do que posse. O Brasil está melhorando, mas ainda temos muito essa coisa da posse, pois é um país pobre. As pessoas ainda veem o aluguel como falta de dinheiro para comprar a casa própria, mas acho que isso está mudando. É um novo conceito de vida, é mais liberdade para poder experimentar aqui ou ali. É de fato vivenciar mais, até porque daqui nada se leva”, concluiu Pablo.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui