Por que os shopping centers precisam investir em vendas online?

0
2569

O Grupo Iguatemi anunciou, na semana passada, o lançamento da sua plataforma de vendas online, chamada 365 Iguatemi. O nome já entrega a estratégia: estar disponível para o cliente 24 horas por dia, 365 dias por semana. Antes dele, CCP e JHSF já haviam feito movimento semelhante e outras importantes administradoras de shopping centers estão na fila.

Afinal de contas, por que tantos shoppings estão surfando nessa onda?

A resposta é muito simples – porque não podem estar ausentes, correndo o risco de se distanciarem dos seus clientes, cada dia mais conectados e acostumados a ver seus desejos atendidos prontamente, a qualquer hora e lugar.

É preciso entender que, para muita gente, físico e digital são duas faces da mesma moeda, não dá para pensar em uma coisa separada da outra. E isso vale para consumo de conteúdo, contratação de serviços e, claro, compras. Sabendo disso, os principais varejistas nacionais estão acelerando providências para oferecer aos seus clientes experiências que integrem o online e o offline. Esta semana mesmo, a Riachuelo divulgou novas iniciativas para ampliar a digitalização de suas lojas físicas, incluindo vendas pela internet e ponto para retirada de produtos comprados virtualmente.

Para não ficar para trás, mesmo sabendo das dificuldades relacionadas à logística e o baixo retorno financeiro, grandes grupos de shopping centers decidiram apostar em marketplaces virtuais, que funcionariam como plataforma de vendas, mas também como instrumento de marketing.

Enfrentar de frente a concorrência do e-commerce também é um objetivo, claro.

Vale lembrar que cerca de 27 milhões de brasileiros fizeram alguma compra online nos primeiros seis meses deste ano e o crescimento no faturamento do varejo virtual por aqui foi de 23,6% no semestre, segundo dados do Ebit. Para efeito de comparação, as vendas no varejo tradicional, medidas pelo IBGE, cresceram 4,1% no mesmo período. Ainda de acordo com o Ebit, dentre as principais categorias, em volume de pedidos, estão itens de saúde, cosméticos e perfumaria, moda e acessórios, casa e decoração, eletrodomésticos, telefonia e celulares, artigos esportivos e de lazer. Todos bem representativos no mix dos shoppings brasileiros.

Entrar de cabeça no universo das vendas online, no entanto, exige investimentos relevantes, que nem todos os grupos de shopping centers podem ou querem assumir neste momento. Por isso, outras iniciativas, em especial relacionadas à delivery e retirada de produtos comprados online, pipocam aqui e ali. O Shopping Mueller, em Curitiba, por exemplo, fez uma parceria com o James, empresa de delivery, para entrega em domicílio ou escritórios de produtos de suas lojas. E o Shopping Itajaí, do Grupo Tacla, fechou aliança com o Pegaki para retirada no shopping de produtos comprados na web.

Explorar o imenso potencial do seu espaço físico para oferecer experiências incríveis para os clientes é a maior vocação dos shopping centers. Alguns de seus varejistas deverão usar as lojas como centros de distribuição de produtos comprados pela web, onde os consumidores também poderão comprar itens adicionais (‘shoppable distribution centers’). Outros preferirão utilizar a loja como um espaço agradável, projetado para vender o conceito da marca, com funcionários mais preocupados em orientar o cliente em suas escolhas do que em bater metas de vendas (‘shoppable billboards’). Haverá ainda aqueles que combinarão os dois caminhos. Uma coisa, no entanto, é certa: as vendas online farão parte da realidade dos shopping centers em todo o mundo.’

As maiores empresas nacionais do setor já entenderam isso e estão dispostas a fazer o necessário para não serem meras coadjuvantes nesse processo.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui