Empresas portuguesas inovadoras vão ter fundo de 190 milhões de euros

0
64

A Web Summit foi o evento escolhido para o Fundo Europeu de Investimento anunciar um investimento de 190 milhões de euros destinado às Pequenas e Médias Empresas (PMEs) portuguesas inovadoras, que decorre através de dois novos fundos. O acordo foi assinado esta terça-feira pelo Comissário Europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, pelo vice-presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI), Ambroise Fayolle, e por representantes das responsáveis pelos fundos.

Um dos fundos, no valor de150 milhões de euros,é gerido pela Vallis Capital Partners— uma empresa que investe em PMEs ibéricas inovadoras e com alto potencial de crescimento — e destina-se a empresas portuguesas que trabalhem em áreas como  sustentabilidade, incluindo indústrias relacionadas com o crescimento demográfico e a escassez de recursos naturais. “Se pudermos financiar projetos como este, significa que há mais empresas que estão chegando e co-investindo neste projetos. E é isso que estamos vendo em Portugal”, disse Ambroise Fayolle.

Já o segundo fundo, o Mustard Seed Maze Social Entrepreneurship, que vai contribuir com 40 milhões de euros, é na opinião do vice-presidente do BEI, um projeto que se destaca por trabalhar na área social. “É a primeira vez que assinamos com um acelerador de impacto social em Portugal e este é um projeto muito interessante”, disse.

Imagine uma empresa que ajuda, por exemplo, pessoas que acabaram de sair da prisão e não sabem qual o próximo passo a tomar para recuperarem as suas vidas. Este fundo financia este tipo de projetos e isso é muito interessante não só em termos de negócio, mas em termos de impacto”, acrescentou ainda Ambroise Fayolle.

Mas, o que podem fazer as empresas de áreas mais tradicionais para se reinventarem e se tornarem inovadoras? “Muitas vezes estas empresas precisam trabalhar na digitalização e isto não é só em Portugal, mas na Europa e também fora dela. Na Europa é claramente um problema”, respondeu o vice-presidente do BEI.

Ambroise Fayolle explicou ainda que Portugal é “um dos principais beneficiários de financiamento por parte do BEI” e que, muitas vezes, o banco financia diretamente algumas empresas “que são muito inovadoras e de rápido crescimento”. Um exemplo foi a empresa Science4You. “Estamos muito interessados neste tipo de projetos”, destacou.

Segundo Carlos Moedas, “estes dois apoios do Plano Juncker vão dar às pequenas e médias empresas portuguesas o impulso que precisam para expressarem os seus talentos e transformarem as suas ideias em projetos concretos”. O investimento, explica o Comissário Europeu, é dirigido a “projetos inovadores de elevado valor agregado e às empresas sociais”, dois setores que considera serem “fundamentais para o futuro da economia europeia”.

Ambos os fundos apresentados foram aplicados no âmbito do Fundo de Investimento Europeu, numa colaboração com o InnovFin Equity e COSME EFG.

Fonte: Portal Observador

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui