Quantidade de mulheres que trabalham com tecnologia aumentou, mas elas não ocupam cargos de liderança

0
133

A Web Summit recolheu resultados de pesquisas de várias de suas palestrantes, investidores, fundadores, participantes e membros da comunidade sobre as perspectivas das mulheres na tecnologia. Os resultados mostram que as próprias mulheres se sentem respeitadas, confiantes e capacitadas em seus papéis. No entanto, governos, locais de trabalho e até mesmo a sociedade como um todo ainda precisam se atualizar. Aqui estão os principais resultados da pesquisa:

Existe uma clara divisão de opiniões se os gêneros se tornaram mais equilibrados no setor de tecnologia, embora haja um forte consenso de que há um desequilíbrio quando se trata de liderança.

Quando questionado se houve um aumento do equilíbrio entre os sexos na tecnologia ao longo dos últimos 12 meses; 34% das entrevistadas concordaram, 26% discordaram e 40% afirmaram que se sentem inseguras para responder. No entanto, quando perguntado se houve uma melhora quando se trata de mulheres em posições de liderança tecnológica, apenas 17% concordaram que viram uma melhora no último ano.

74% das entrevistadas afirmaram que se sentem respeitadas em suas posições. Muitas acham que isso está relacionado com a presença de uma mistura saudável de empregados dos sexos masculino e feminino na empresa, a mentalidade de mudança quanto à presença de mulheres no setor de tecnologia e trabalhar para empresas com culturas saudáveis.

A confiança em seu papel foi confirmada por 87% das pesquisadas. A maioria afirmou que estão muito conscientes das suas competências, experiência e impacto positivo que trazem para o seu local de trabalho. “Parte do truque é desconsiderar o que os outros pensam e apenas trabalhar duro”- disse uma entrevistada.

“Há muitas oportunidades de liderança na comunidade de tecnologia nos dias de hoje, é mais uma questão de decidir ir atrás”, disse outra. 75% das entrevistadas também concordam que se sentem empoderadas para buscar ou manter uma posição de liderança. “As coisas parecem estar mudando. Há mais e mais eventos, iniciativas e encontros destinados a capacitar as mulheres no setor digital”, afirmaram.

61% das mulheres sentem que sofrem mais pressão para provar o seu valor do que os homens homólogos. Quando perguntado se as mulheres sentem que são tratadas de forma diferente ou são pagas injustamente em relação aos seus pares masculinos, os resultados variaram. 43% se sentem tratadas da mesma forma, 40% não, e 17% não têm certeza. Em relação à igualdade de remuneração; 37% acreditam que são pagas razoavelmente na comparação com seus homólogos masculinos e 31% acreditam o oposto.

Algo que atraiu um forte consenso foi a pressão que as mulheres sentem para provar que valem a pena. 61% das entrevistadas sentem essa pressão. Uma entrevistada comentou: “Os homens são julgados com base no potencial, as mulheres são julgadas com base em capacidades comprovadas”. Algumas mencionaram que isso se deve ao viés que ainda favorece os homens como sendo mais competentes, e medo de serem vistas como agressivas ou emocionais, se fornecerem sua opinião ao invés de mostrar resultados.

Algumas também levantaram a necessidade de provar que são um investimento valioso para empresas, como muitos percebem que as mulheres custam mais do que os homens, especialmente se tiverem o desejo de se tornarem mães. Embora 50% declarem que já não sentem necessidade de escolher entre uma carreira e uma família.

Cerca de 49% das mulheres acreditam que seu local de trabalho está fazendo o suficiente para garantir igualdade, mas apenas 16% acreditam que seus governos estão fazendo o suficiente. Com quase metade das mulheres entrevistadas declarando que seus locais de trabalho estão trabalhando para inserir as mulheres na tecnologia, mais de 57% acreditam que seus próprios governos precisam fazer mais.

Quando questionadas sobre o que pensam que os governos poderiam fazer, muitas mencionaram a introdução de leis que proíbam a discriminação de gênero; como a licença parental de maternidade e paternidade, o sistema educacional para influenciar os jovens desde tenra idade, e impor quotas de maneira geral.

“Nesta fase, acredito que as cotas são a única maneira de forçar o sistema educacional e empresas a levar isso a sério”, disse uma entrevistada. “Eu sei que as mulheres que estão lá não estão sendo escolhidas para o trabalho, ou se elas entrarem em uma boa posição, não recebem o apoio que precisam. O apoio necessário às mulheres é diferente dos homens. Mas ninguém nunca pergunta a nós diretamente o que precisamos”.

Em relação às cotas, 37% das entrevistadas acham que as mulheres só entram em cargos de liderança para preencher cotas, 33% discordam e 30% não têm certeza. A maioria das mulheres, 87%, acredita que nós, como sociedade, somos responsáveis ​​por melhorar a igualdade de gênero na tecnologia.

“Precisamos mudar a mentalidade através da educação e conscientização pública. Pais empoderando suas filhas, mulheres empoderando outras mulheres”, disse uma entrevistada.

Muitos também mencionaram a necessidade de dar exemplo, mostrar e ensinar a próxima geração a viver em uma sociedade igualitária de gênero. “Se as meninas são incentivadas a brincar com brinquedos de cozinha e bonecas e meninos são encorajados a serem engenheiros – como podemos esperar que essa imagem impressa mude no futuro”, disse outra.

Outras acreditam que quem tem maior responsabilidade para mudar este cenário ​​são empresas e outras entidades privadas (63%) e governos (41%). Escolas, universidades, pais, mídia e influenciadores também foram mencionados.

Várias mulheres sinalizaram que os departamentos de RH, em particular, precisam ter mais prestação de contas. 63% das pessoas acreditam que as empresas e outras entidades privadas têm um alto nível de responsabilidade, com os departamentos de Recursos Humanos em particular sendo mencionados várias vezes como aqueles que deveriam ser mais responsáveis. “O RH precisa ser responsabilizado pelo estado do mercado”, disse uma entrevistada. “Como as mulheres podem obter ótimos empregos em tecnologia se nunca tiverem a chance de conhecer os gerentes de contratação ou ganhar experiência?”

Muitas das que participaram da pesquisa sugeriram uma série de melhorias nas práticas de recrutamento; tais como triagem cega de CV, atribuições de codificação anônima para engenheiros e treinamento obrigatório para aqueles em equipes também responsáveis ​​pela contratação, para ajudar a omitir preconceitos quando eles estão recrutando.

Mudar a cultura tecnológica no local de trabalho também foi levantado regularmente. “Precisamos mudar as culturas tecnológicas para que elas atraiam mulheres e sejam genuinamente inclusivas. As mulheres na tecnologia não acham essas culturas inerentemente atraentes. É uma razão pela qual elas saem, não se esforçam para ascender e se mudam para áreas menos agressivas ou competitivas”, disse um entrevistado.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui