Web Summit: Ambicioso e caórdico, mas profundamente inspirador

0
1928
Websummit

A Web Summit começou em Dublin, na Irlanda, em 2010, com 400 participantes e há três anos mudou para Lisboa – e lá deverá permanecer nos próximos dez anos. Foi uma mudança fundamental para ajudar a torná-lo o maior evento de empreendedorismo digital do mundo e reuniu perto de 70 mil pessoas de 159 países na semana passada.

Por conta de contrato recém-concluído, Portugal vai pagar 11 milhões de euros por ano para manter o evento que se tornou estratégico para o país pelo protagonismo que tem conseguido.

Aliás, todos os números são superlativos. Os 1.200 palestrantes em 24 palcos, mais de 1.800 startups, 2.600 jornalistas e bloggers, 1.500 investidores e mais de 813.500 visitas a perfis investidores e startups no app do evento.

O evento reuniu neste ano, mais uma vez, lideranças e estrelas globais em profusão e isso o torna influenciador, inspirador e muito midiático pois, todos, sem exceção, guardam para o evento algo que justifique o convite para estar nesse palco privilegiado.

Líderes políticos como o ex-primeiro ministro britânico, Tony Blair, que se posicionou totalmente contrário ao Brexit; o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterrez; a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager; e Ana Brnabic, primeira-ministra da Sérvia.

Líderes empresariais e CEOs como Young Sohn, da Samsung, que mostrou que AI é o motor quando os dados se tornam o petróleo;  Ben Van Beurden, da Shell, que fez um “mea culpa” em nome da empresa pela difusão de informações erradas sobre reservas de petróleo; Brad Smith, da Microsoft, que propôs legislação internacional sobre uso da Inteligência Artificial; Ev Williams, co-fundador e antigo CEO do Twitter e fundador da Mediu; ou Antonio Mexia da EDP, que anunciou a disposição da empresa em investir 45 milhões de euros em startups.

Visionários como Tim Berners-Lee, criador da Internet, propondo um pacto global pela melhoria da rede, ou Cristopher Wylie, ex-diretor da Cambridge Analytcs que expôs o vazamento dos dados das contas do Facebook.

Além de atrações como Sophia, the robot que adquiriu cidadania na Arábia Saudita, e que neste ano apresentou seu companheiro Han, mas passou a ter a concorrência direta de Furhat, um robot social que pode manter conversas em 40 idiomas.

Tem para todos os gostos, especialmente os conectados com temas envolvendo o Digital e as grandes transformações atuais da Economia, da Sociedade, Comportamento, Política, Negócios, Comunicação, Saúde, Diversidade, Regulamentações Sociais, Sustentabilidade, Segurança Digital, Educação, Trabalho, enfim tudo que tem tido seu comportamento acelerado, modificado e diversificado pelo avanço da tecnologia.

Afinal são 1.200 palestrantes, muitas vezes quatro reunidos num mesmo palco numa sessão de 20 minutos. Para as grandes estrelas com sessões mais longas é reservado o palco principal da Arena Altice, com capacidade para vinte mil pessoas. Não falta assunto ainda que, em muitos casos, a abordagem seja mais superficial. Conecta, sensibiliza, provoca, mas não aprofunda, pois essa é sua proposta com um conjunto de atividades tão diversificado num período relativamente curto de tempo.

O evento celebra a transformação da realidade pela evolução e disseminação da tecnologia e do digital e é fundamentalmente orientado para jovens empreendedores digitais.

Uma de suas principais atividades é a exposição, conexão e competição de startups do mundo todo, numa grande feira de ideias, propostas e pesquisas realizadas nos três dias onde jovens, e não tão jovens empreendedores, se interconectam com potenciais investidores e podem apresentar suas concepções, todas elas gravitando em torno de tecnologia.

Caórdico na sua essência

No seu modelo e organização reproduz aquilo que foi definido como caórdico, ou seja, o caos com alguma organização.

Fisicamente, o evento ocorre no Parque das Nações e são quatro pavilhões com os 24 espaços de fóruns e a grande arena central, numa área total de 5,4 km2. O tempo todo o ambiente está tomado pelo deslocamento frenético dos que não tem tempo a perder entre tantas sessões e atividades que ajudam a criar o clima de efervescência natural e inebriante, quase viciante, do evento.

Ainda que o caórdico possa ser a melhor definição para a organização geral do que lá acontece, a excelência da execução, aquela possível em algo dessas proporções, é ponto alto, com uma infraestrutura profissional digna do maior acontecimento mundial desse setor.

O evento hoje está limitado em seu crescimento pela questão do espaço físico da área que, por conta das perspectivas para os próximos anos, deverá ser ampliado e atualizado.

Se planejar muito bem para aproveitar o evento em toda sua plenitude, provavelmente você anda em torno de 12 km por dia, deslocando-se para tentar aproveitar o máximo possível dos temas que são apresentados e que podem interessar.

Tudo isso no período normal do evento que vai das 9h às 17h, porque depois tudo continua pela cidade com inúmeros encontros, festas, atividades sociais e badalações como seria de se esperar de um evento com foco em jovens empreendedores digitais vindos de todo o mundo, ávidos por ouvir e serem ouvidos.

A essência do extrato da síntese condensada ao máximo

Pretensioso e impossível seria tentar consolidar tudo que é apresentado e discutido. E a cada ano existe uma mutação genética temática, resultado natural da evolução das preocupações dominantes no ambiente digital global.

No evento deste ano alguns macro temas mereceram maior destaque e atenção. Eis uma listagem dos mesmos:

  1. A insegurança digital, seus riscos, impactos e ações possíveis para alterar seu processo evolutivo;
  2. A proposta de integração de governos, setores empresariais, corporações e organizações para promover um alinhamento auto-protetor na evolução da internet;
  3. O movimento pendular na Integração e Desintegração na Política Global e Regional e sua evolução próxima e futura;
  4. A realidade e os riscos inerentes à multiplicação das fake news e como buscar elementos inibidores de sua maior expansão;
  5. A promoção da Diversidade como fator de crescente importância para alinhamento de iniciativas e comportamento;
  6. O Propósito das Empresas e Organizações se sobrepondo em importância aos seus negócios e atividades empresariais;
  7. O irreversível avanço na utilização, produção e disseminação de uso da Realidade Aumentada (AR) e Realidade Virtual (VR) nos mais diversos campos;
  8. Gaming para além da diversão e entretenimento e como instrumento para uso disseminado nas mais diversas atividades empresariais e de negócios;
  9. A crescente disseminação do uso da Inteligência Artificial (AI) e seu impacto na sociedade, nos negócios, nas empresas e na relação das pessoas com o mundo em que vivem;
  10. Os avanços da tecnologia na medicina e nos tratamento em temas ligados à saúde;
  11. O repensar da Educação para alinhamento com as demandas emergentes de uma sociedade irreversivelmente mais digital;
  12. O impacto da tecnologia na visão do que é moda e o comportamento social das novas gerações na forma como se apresentam;
  13. Os caminhos para continuar subsidiando e investindo no desenvolvimento do empreendedorismo digital em escala global;
  14. Como nova comunicação multidirecional, multinterativa e em tempo real altera a própria indústria da comunicação e todas as formas de relacionamento entre marcas, empresas, negócios, instituições e pessoas;
  15. Criptomoedas, perspectivas e seu poder de interferir nas estruturas financeiras hoje existentes;
  16. O embate dos modelos de crescimento e expansão das corporações tecnológicas globais no Ocidente e na China;
  17. Os impactos da economia circular redesenhando a realidade, os negócios e a relação entre pessoas, organizações e governos;
  18. As muitas alternativas proporcionadas pela internet, pelo digital e pela tecnologia para solução de problemas que ainda não estão configurados.

Como ressaltamos é pretensioso em 18 tópicos tentar expressar o que de mais relevante aconteceu nesse período em Lisboa, mas nessa relação estão algumas pistas importantes dos assuntos que mereceram maior atenção.

Para além do evento em si, tivemos a oportunidade de estarmos com um grupo de dirigentes e executivos do Brasil, participando de visitas técnicas e reuniões com alguns dos conceitos mais relevantes do varejo e do foodservice de Lisboa e discutindo com dirigentes locais o momento e as perspectivas de mercado.

No título do artigo já reconhecíamos que, se o caos com alguma organização é um elemento com o qual devemos nos acostumar a conviver, ele pode ser profundamente inspirador e produzir importantes reflexões pessoais e sociais.

Nota: Um especial agradecimento aos participantes que estiveram conosco em nossa delegaçõa nessa jornada de conhecimento e ao time da IMR e GS&IMR de Portugal que foi fundamental que mais  pudesse ser aproveitado.

  • Imagem (Filipe Amorim / Global Imagens)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui