Alguns insights sobre o varejo chileno

0
1200

O Chile é realmente impressionante. Dono de paisagens extremas que contornam seu território como desertos, mares, cordilheiras e geleiras, é também um país que apresenta um interessante cenário de varejo.

De passagem pela capital chilena, aproveitei para colher alguns insights interessantes sobre o comportamento do varejo no país vizinho. Normalmente, quando tenho a oportunidade de me hospedar em algum local onde sei que a cultura é diferente, costumo ficar o mais próximo possível de bairros residenciais, ou mais próximo do centro da cidade, disposto a fugir das armadilhas turísticas, e ao mesmo tempo, realizar uma verdadeira imersão dentro da cultura. Gosto de ver o que o verdadeiro povo da cidade faz: onde anda, onde come, onde compra, enfim, gosto de tentar vivenciar, pelo menos por um curto período, como é viver no local.

Há muitos contrastes no varejo de Santiago. Há, como se poderia esperar de uma das melhores economias da América do Sul, colossais shoppings como o Parque Arauco e seus boulevares, ou o Costanera Center, com sua torre de escritórios que oferece uma incrível visão panorâmica da cidade. Nesses shoppings, encontram-se o que se espera: um desfile de marcas, boa parte internacional, bons serviços, um mix diversificado, oferecendo restaurantes casuais e até mesmo supermercados.

Só a Gouvêa tem mais de 30 profissionais auxiliando você em todos os momentos da delegação

No Chile, há uma presença ainda muito forte do formato de loja de departamentos, capitaneados principalmente por marcas dos grupos Falabella, e Cencosud (Paris). Mesmo nos shoppings, há sempre alguma delas como protagonistas, tradicionalmente atravessando todos os andares do mall, num formato que ainda pode ressurgir no Brasil a qualquer momento.

O grupo Cencosud, além de operações diversas, como supermercados (Jumbo), Casa e Decoração (Easy) e até mesmo moda, com a marca Johnson, também é, entre outros negócios, um dos principais operadores de shoppings do país. O maior mall da cidade (e um dos maiores da América Latina), o Costanera Center acima citado, é controlado por eles. Vale destacar que se o grupo Cencosud ainda possui dificuldades para conquistar melhores resultados no Brasil, o Grupo Falabella já tem uma boa operação com as lojas de sua bandeira de material de construção, a Sodimac, que inicialmente desembarcou no país através da aquisição da rede Dicico.

Mas é na rua que se observa movimentos interessantes. Um dos que mais me chamou a atenção foi o cruzamento de alguns formatos que resultou em interessantes operações.

Em uma loja dedicada somente aos serviços financeiros da Falabella, como consórcio e agência de viagens, havia uma cafeteria, da colombiana Juan Valdéz, em operação. Uma excelente ideia que já fora de certa forma trabalhada no Brasil, por exemplo, com a agência do Santander aberta no começo do ano em parceria com a rede de cafeterias da argentina Havanna, nas proximidades de um dos cruzamentos mais conhecidos de São Paulo, o da Faria Lima com a JK.

Entretanto, é do próprio Santander um dos exemplos mais interessantes nesse sentido que vi. Uma agência, batizada de Work Café mistura agência, co-working e cafeteria, em um espaço onde os clientes podem realmente passar seu dia, trabalhando como num co-working, com todas as comodidades de se ter uma agência dentro do mesmo espaço. Uma reinvenção do formato, que aparentemente já encontra algumas unidades abertas no Brasil.

E se há os grandes shoppings, similares ao que acontece nos grandes centros de outras cidades, há a presença de galerias (muito numerosas no Chile), que, de alguma forma, parecem datadas, ou esquecidas pelo tempo. Se há a impressão de que nessas galerias tudo acontece em um ritmo mais lento, analógico, onde o digital parece ainda não ter chegado; o variado mix, considerando miudezas chinesas representadas, principalmente, por acessórios de telefones celulares, mostra uma outra verdade. O produto está se transformando, mas o varejo não parece estar acompanhando o ritmo.

A segurança que se tem nessas cidades fora do Brasil, traz um movimento mais interessante ao varejo de rua, mais pujante, mais vivo, mesmo que datado. É difícil não caminhar pelo calçadão do centro às 22h00, com algumas operações como restaurantes e lanchonetes ainda abertos, e imaginar o impacto que mais segurança traria ao comércio de rua do Brasil.

Em relação à inovação, ela parece restrita aos grandes players, ou às marcas internacionais, quando já trabalhadas em outros países. Mesmo nas grandes marcas e grupos observa-se mais do mesmo, uma tendência cada vez mais forte à adesão de sistemas e tecnologias que permitam o autosserviço para pagamentos e atendimentos. A impressão que se tem é que a velha e boa resistência em relação ao novo que se encontra hoje por aqui nos varejistas de menor porte também se dá por lá.

Cabe ressaltar que o Chile hoje também apresenta um excelente ecossistema de startups e inovação. Uma de suas instituições, a Startup Chile, é uma das mais representativas da América do Sul. Ou seja, não faltam opções para inovar, tal lá, (e lembrando) como cá.

Outra operação que se mostra interessante em relação a novos mercados está em uma abertura, ainda tímida, sobre a legalização da maconha para consumo recreativo e medicinal. Mesmo ainda proibida, encontrei algumas lojas especializadas em equipamentos e venda até mesmo de sementes, comercializadas como produtos de coleção, o que é autorizado hoje. Locais que às vezes trazem junto a proposta de um café ou lanchonete, também trazendo a questão de diversificação e cruzamento de formatos que acima mencionei. Assim como no Uruguai, começa a ser um novo segmento de mercado que se abre e com isso, novas oportunidades de negócio.

Em um mundo cada vez mais nivelado em relação ao acesso à informação, percebe-se mudanças de comportamento e sociais, que acabam por refletir no comportamento do comércio da cidade. Será cada vez mais difícil encontrar diferenças.

*Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui