Painel no NRF Retail’s Big Show debate porque promover a inclusão nas empresas ainda é desafio

945
[tempo para leitura: 4 minutos]

Um dos painéis bem vistos durante o NRF Retail’s Big Show foi “O imperativo da inclusão: responder e avançar nos desafios de D&I em tempo real”, em que Shannon Schuyler, diretora de propósito da PwC mediou um bate-papo entre Lars Petersson, presidente da IKEA EUA; Carolyn Tastad, presidente do grupo na América do Norte e patrocinadora executiva de igualdade de gênero na Procter & Gamble; e James Fripp, diretor chefe de diversidade e inclusão da YUM! Marcas. O assunto principal foi a diversidade e a inclusão no local de trabalho.

Fabiana Mendes, sócia-diretora da GS&Friedman, que acompanhou as últimas edições do NRF e assistiu o painel, ressaltou: “Quem acompanha a NRF nos últimos anos pôde perceber que os temas ligados a pessoas estão cada vez mais relevantes e mais presentes no contexto mundial, não só aqui (na NRF), mas é tema em discussão e debate em todos os negócios no mundo”.

Para Shannon, abordar questões de diversidade exige que a organização mantenha conversas francas no ambiente de trabalho, entenda o poder do viés inconsciente (as pessoas geralmente têm opiniões sobre pessoas diferentes de si das quais não têm consciência) e compartilhe práticas que funcionem dentro da empresa e fora. “A diversidade não é mais uma questão competitiva, ou apenas uma questão de negócios”, disse ela. “É uma questão social”.

Para Petersson, é também uma questão de igualdade de direitos. “A administração pode e deve assumir a responsabilidade de promover a diversidade e a inclusão, e a liderança de uma empresa deve agir”. Ele citou como exemplo a IKEA do Japão, onde trabalhou no início de sua carreira. Quando chegou, apenas três dos mil gerentes da IKEA no Japão eram mulheres. Ele e sua equipe perguntaram às funcionárias o que tornaria os cargos de gerência mais atraentes para elas, e a principal resposta foi o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, especificamente o direito de simplesmente ir para casa no final da jornada de trabalho, em vez de serem forçadas a socializar com os chefes. A IKEA tomou conhecimento disso e quando Petersson saiu, 43% dos gerentes da IKEA eram mulheres.

Ele adotou uma abordagem direta semelhante para tratar a questão da homofobia enquanto era chefe da IKEA Itália, onde a empresa publicou um anúncio mostrando dois homens de mãos dadas com a manchete “Somos todos da família”. Nos Estados Unidos, a IKEA está trabalhando na política de licença parental para funcionários em período integral e meio período. O executivo afirma que essas são questões grandes e intimidadoras e ele pediu aos ouvintes que não deixassem isso atrapalhar. “O importante é fazer mudanças, não focar demais no objetivo final.”

Carolyn Tastad acredita que 2018 foi um grande ano para o empoderamento das mulheres. “Nós tivemos o #MeToo, ótimas imagens de liderança feminina em filmes como ‘Black Panther’ e ‘The Incredibles’. Mas, nos negócios, estamos indo para trás.” Há menos CEOs na Fortune 500 do que havia um ano atrás, e o salário dos homens ainda está aumentando mais rápido que o das mulheres. Para a executiva, isso acontece porque a sociedade comprou cinco mitos perniciosos: de que as mulheres são menos capazes de liderar, há menos mulheres na lista de candidatas para liderar, elas trabalham menos em áreas como ciência e tecnologia, manter a casa é responsabilidade feminina e assédio sexual é uma “questão das mulheres”.

Carolyn acredita que isso gere um pensamento de que é necessário “consertar as mulheres”. Como um exemplo particularmente notório, ela citou o caso da Hewlett-Packard, no qual homens que possuem apenas 60% das qualificações para um emprego em particular iriam adiante e se candidatariam, enquanto as mulheres não se candidatariam, a menos que tivessem 100% das qualificações.

Embora isso tenha sido amplamente interpretado como evidência de que as mulheres têm um “problema de confiança”, Tastad observou que, igualmente, é uma prova convincente de que os homens têm um problema de excesso de confiança. “Na P&G”, ela disse, “a mistura de homens e mulheres é de 50/50 nos níveis mais baixos de liderança e gestão, mas muito menos nos níveis mais altos. Nós não precisamos consertar as mulheres. Precisamos consertar o sistema”, concluiu.

James Fripp atuo na YUM! por 30 anos e disse que supervisionar a diversidade e a inclusão é a tarefa mais desafiadora que já teve. De acordo com ele, alguns dos desafios são estruturais: a YUM! é uma franqueadora global com 46.000 restaurantes, 1,5 milhão de funcionários e mais de dois mil franqueados.

“Uma pergunta que eu recebo é” Jim, defenda a diversidade e a inclusão “, disse Fripp. Como resposta parcial, ele observou que apenas o poder de compra da comunidade LGBT é de mais de US $ 1 trilhão, e que todo o crescimento futuro dos EUA virá de uma população multicultural e racialmente combinada. Globalmente, a maior parte do crescimento futuro não virá dos EUA, mas de outros lugares. “Se não entrarmos no ônibus e começarmos a apoiar o que as pessoas precisam e o que estão procurando”, disse Fripp, “não teremos sucesso”.

O que acontece em Nova Iorque não fica em Nova Iorque!

RETAIL TRENDS PÓS NRF 2019

Confira os principais insights e conceitos apresentados durante a NRF Retail’s Big Show 2019
O evento traz um conteúdo exclusivo sob a curadoria dos especialistas do Grupo GS& que estiveram em Nova Iorque e traduzem para o público nacional a melhor forma de aplicar as tendências e novidades mundiais na realidade brasileira.

*Cobertura do evento: RCE Digital

Deixe uma resposta