Startup Vhita usa tecnologia para empoderar o consumidor

86
[tempo para leitura: 2 minutos]

Os brasileiros estão vivendo mais. De acordo com levantamento do IBGE (2018), a expectativa é de 79,6 anos para mulheres e 72,5 para homens. A estatística não é só uma boa notícia no aspecto social – comportamental, mas, também, uma frente para negócios focados em longevidade. Como a startup Vhita, que, embalada por um crescimento de 20% em 2018, quer triplicar o faturamento em 2019, chegando a R$ 4,5 milhões.

A Vhita é uma healthtech fundada em 2015 e um dos principais nomes do promissor setor de suplementos, vitaminas e alimentos funcionais, que, segundo a consultoria de human data science IQVIA, faturou R$ 4 bilhões entre 2017 e 2018. A diferença entre dezenas de players nacionais e estrangeiros não é a briga por preço ou espaço nas gôndolas de farmácias e lojas, mas tecnologia, produtos com comprovação científica de eficácia e uma lógica fora do usual de mercado.

“Temos um foco muito grande em empoderamento do consumidor. Fazer com que ele entenda suas necessidades e, principalmente, como escolher bons produtos para supri-las. Com conhecimento ele saberá identificar quem trabalha com a melhor matéria-prima, atende as práticas de mercado, tem certificações e resultados comprovados com preço competitivo e, naturalmente, chegará até a Vhita”, explica o CEO Luís Bianco.

Modelo e faturamento

Com aporte de um investidor anjo na fundação, a startup tinha um formato baseado em inclusão de produtos em pontos de venda e parceria com nutricionistas para indicações. Há quatro anos, com recursos próprios, o modelo passou a ser 100% digital, apresentando uma curva de crescimento que saltou de R$ 630 mil em 2015 para R$ 1,8 milhão em 2018. A meta para 2019 é bater R$ 4,5 milhões.

A estratégia da healthtech é usar a tecnologia para cobrir duas frentes. A disseminação de conteúdo qualificado como prestação de serviço e a democratização do acesso a produtos de extrema qualidade. A venda é direta para o consumidor final pela internet ou telefone. Sem a intermediação de farmácias e distribuidores, tornando o preço competitivo.

“Este modelo traz transparência em um mercado cheio de promessas e notícias falsas, além de permitir uma personalização de ponta a ponta, do atendimento aos produtos mais indicados para cada pessoa. Além de maior escala, com alcance de norte a sul do país”, completa o executivo.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta