Em tempos de EVP – Employee Value Proposition (proposta de valor ao colaborador)

1162
[tempo para leitura: 2 minutos]

Em tempos de Novo Varejo, transformação digital, novas gerações, novas exigências e novos modelos de trabalho, todo mundo está falando no EVP – Employee Value Proposition ou simplesmente Proposta de Valor ao Colaborador.

Na verdade o conceito não é tão novo, mas temos ouvido cada vez mais ser mencionado. E a razão é relativamente simples: atrair e reter os melhores talentos significa ter competitividade, ser mais inovador, mais ágil e estar na frente. Decididamente.

Totalmente alinhado com nosso People Centricity (e quem não conhece vale a pena resgatar nos dois artigos anteriores), o EVP é uma resposta ao olhar mais refinado e exigente da atual força colaboradora. Mais que isso, é a forma de garantir, estruturalmente que os valores pregados ao colaboradores sejam entregues e ainda que sirva de mecanismo de atração e retenção de talentos.

O EVP é o balanço das recompensas e benefícios recebidos pelos colaboradores como retorno pela sua performance e resultados na organização. Trata-se de um pacote de ofertas providenciados pela organização como retorno pelas habilidades, capacidades e experiências que os empregados trazem para a organização.

O conceito de EVP é um conceito centrado no colaborador. Ele precisa ser único e relevante se quer agir como uma chave para atração, retenção e engajamento de colaboradores. Toda empresa possui uma proposta de identidade ligada à sua missão e valores. O EVP é a proposta de valor da oferta de trabalho de uma organização.

As organizações geralmente desenvolvem o EVP para prover uma plataforma consistente para o conceito de marca empregadora e gerencialmente da experiência do colaborador, ele ajuda a tornar uma companhia atraente aos olhos dos colaboradores e atrativa para futuros profissionais, fundamentada em seus atributos e percepção dos valores corporativos. EVP é uma forma muito eficiente de atrair talentos e candidatos para as vagas oferecidas pelas empresas.

Mais importante que ter uma proposta de EVP estruturada, cada um de seus pilares precisa ser genuíno, pensado e desenhado para todos aqueles que estão dentro ou desejam entrar na organização.

Os elementos que compõem o EVP passam por questões de ordem prática, financeira, de ambiente, de desenvolvimento, tais como sistemas de recompensa, possibilidade de crescimento, sistemas de avaliação.

Estas são as mínimas de praxe, mas novos itens estão cada vez mais compondo esta lista: estilo de liderança, práticas de inclusão social, promoção da experiência ao colaborador, cultura de aprendizagem, flexibilidade de horário e estímulo ao equilíbrio entre vida pessoal e profissional são algumas destas “novas abordagens” de diferenciação da proposta de valor ao colaborador.

Reconhecida a sua relevância, por onde começar a trabalhar a sua EVP?

  • Identifique e monte a melhor equipe para trabalhar na sua EVP com você, contemplando profissionais de diversas áreas e funções;
  • Liste as perguntas críticas para o seu negócio e principalmente para o desenvolvimento da EVP;
  • Com base em sua missão e seus valores, defina claramente o que está disposto a dar, o que quer receber;
  • Invista tempo em saber o que é valor para seus colaboradores. Compreenda a fundo as preferências e perfil desta força de gente!
  • Traga os projetos de gestão de pessoas, talentos e recompensas para mesa;
  • Faça o piloto, meça, teste, ajuste, pergunte, observe e monitore o progresso;
  • Esteja atento à resposta e à demanda do mercado. Ajuste todas as vezes que a velocidade do mercado e das pessoas sinalizar que é hora de revisitar.

Os benefícios são claramente percebidos. Alguns rapidamente, como disposição, engajamento e felicidade no ambiente de trabalho. Os resultados aparecem também, como produto principalmente destes três importantes pontos definidos acima. Vamos testar?

* Imagem reprodução

 

Deixe uma resposta