Abercrombie & Fitch anuncia fechamentos e remodelações de lojas

479
[tempo para leitura: 2 minutos]

A marca de moda adolescente Abercrombie & Fitch Co. prevê o fechamento de 40 lojas para este ano. Em 2018, a varejista havia planejado 60 fechamentos, mas apenas 29 unidades foram encerradas, gerando uma redução de apenas 2% de sua metragem de lojas.

De acordo com Fran Horowitz, CEO da Abercrombie & Fitch Co. a companhia também está abrindo lojas e remodelando outras, o que irá gerar “85 novas experiências, incluindo lojas remodeladas em 2019”, afirmou.

Metade dos contratos de arrendamento da empresa irá expirar nos próximos dois anos, disse Joanne Crevoiserat, COO da empresa. A maior parte das lojas de agora é encontrada em shoppings melhores, e “a grande maioria de nossa rede é lucrativa”, disse a executiva.

“Nos últimos oito anos, passamos de um pico de 1.100 lojas para 861 no final do ano passado, incluindo cerca de 475 fechamentos de lojas domésticas, deixando nossa rede atual bem posicionada em shoppings predominantemente A e B”, disse Horowitz.

A Gap, concorrente da Abercrombie, está seguindo outra estratégia. Ela está transferindo boa parte de seus esforços para o e-commerce e pretende fechar mais de 230 lojas até 2020. Além disso, de acordo com Art Peck, CEO da Gap, as futuras inaugurações da marca não serão realizadas em shoppings.

Estes fechamentos fazem parte da enorme onda de fechamentos que vêm ocorrendo. No ano passado, os varejistas anunciaram coletivamente o fechamento de 5.524 lojas nos Estados Unidos, uma queda de 32% em relação ao ano anterior, quando atingiram o pico de 8.139, de acordo com a Coresight Research, que também previu que o número será o mesmo neste ano. Mas esse total já está atingindo rapidamente os números dos últimos dois anos. A Dollar Tree disse que planeja fechar 390 lojas da Family Dollar em 2019, a Chico’s fechará 250 unidades nos próximos três anos, a Shopko está fechando pelo menos 250 lojas e a Payless começou a liquidação de 2.500 lojas nos EUA e Porto Rico.

No entanto, os executivos da Abercrombie expressaram confiança no comércio físico. “Acreditamos que as lojas ainda são importantes e o fechamento é uma das muitas ferramentas que usamos para melhorar nossa rede e a experiência do cliente, incluindo remodelações e realocações”, disse Joanne a analistas. “E eu diria que em 2018, melhoramos o desempenho da loja, reduzimos a metragem, melhoramos a produtividade e as reservas em caixa, o que é evidenciado pela alavancagem de 140 pontos-base em nossa ocupação de loja. Estamos muito comprometidos em melhorar esse ponto de contato físico para nossos clientes.”

Os investimentos da empresa confirmam isso. Os investimentos de capital para o ano incluirão cerca de US $ 120 milhões para lojas e cerca de US $ 80 milhões para investimentos digitais e de tecnologia, de acordo com o CFO Scott Lipesky. “Com o excesso de liquidez, priorizaremos os gastos da seguinte maneira: acelerando os investimentos nos negócios, perseguindo agressivamente a racionalização imobiliária, incluindo iniciativas e orientando os retornos dos acionistas”, disse ele.

O anúncio veio no momento em que a Abercrombie também informou que as vendas líquidas do quarto trimestre caíram 3%  na avaliação ano sobre ano para US$ 1,2 bilhão e cresceram 3% em 2018 para US$ 3,6 bilhões. O lucro operacional caiu de US$ 140,3 milhões para US$ 129,7 milhões.

*Imagem reprodução

Deixe uma resposta