Indústria da beleza quer ampliar share no varejo farmacêutico

468
[tempo para leitura: 2 minutos]

Um estudo da IQVIA, divulgado pela Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar) no último mês, aponta que 32% das vendas totais do varejo farma em 2018 no país, que contabilizaram um faturamento de R$ 120,3 bilhões, foram provenientes de não-medicamentos, especialmente produtos de HPC.

De olho no movimento crescente do setor, a indústria da beleza mira suas ações de vendas para farmácias e drogarias.

Desde 2017, a Dailus considera o varejo farma como um canal estratégico, afinal, 44% das vendas de maquiagens e esmaltes ocorrem nas farmácias. “Encerramos 2018 com avanços significativos e já trabalhamos com as principais redes associativistas. Mas enxergamos que podemos evoluir muito nesse canal, e, para 2019, temos duas prioridades: continuar o trabalho de expansão e consolidação das parcerias firmadas e dar início ao processo de expansão aos grupos de farmácias independentes, que, isoladamente, concentram 25% desse mercado”, explica Samir Silva, gerente nacional de Vendas da Dailus.

Segundo Silva, todos os skus das categorias de maquiagens e esmaltes da Dailus estão disponíveis para o canal farma. Porém, como diz ele, o ideal é analisar em conjunto com os parceiros o mix de produtos mais adequado para cada tipo de negócio e formato de loja. “Por isso, além de contribuir para a visibilidade da marca, a feira da Abradilan nos proporciona um ótimo momento para networking, pois temos a oportunidade de estreitar o relacionamento com clientes, além de potencializar a geração de novos negócios”, afirma.

Expectativa de bons negócios

De acordo com Juliano Vinhal, presidente da Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos (Abradilan), para o varejo farmacêutico, investir em cosméticos significa gerar negócios em um dos segmentos que mais crescem no Brasil. “Nosso principal canal de vendas é a perfumaria. Mas nos últimos anos o farma vem crescendo e diminuindo essa diferença. Hoje ele já representa 35% das nossas vendas”, explica Roberto Vaz, diretor-presidente da Nupill, empresa de dermocosméticos que disponibiliza seus produtos nas farmácias desde 2007.

Vaz diz que começou a investir no canal farma após perceber a mudança no comportamento das redes, que melhoraram o mix e passaram a disponibilizar um espaço cada vez maior aos cosméticos. “Além disso, elas passaram a trabalhar com uma margem mais adequada e a competir com o canal alimentar, principalmente com as marcas multinacionais. Agora, acredito que o canal farma vai dedicar um esforço para conseguir aumentar o mix de marcas regionais, para equilibrar as margens na categoria de cosméticos, competindo com as perfumarias”, afirma o executivo.

Novata no canal farma, onde estreou no ano passado, a Professional Donna, marca de varejo da Itallian Hairtech, empresa de referência entre os cabeleireiros profissionais, está muito otimista com o desempenho em 2019. “Nesse cenário de expansão da marca, o papel dos distribuidores da Abradilan será fundamental. Eles têm a expertise e logística necessárias para ganharmos escala”, explica o gerente de Marketing, Décio Alcântara, que prevê um incremento de 30% de seus produtos no varejo.

“Na feira conseguimos unir a indústria, o distribuidor e as farmácias e drogarias para a formação de parcerias e o fomento de negócios que contribuem com toda a cadeia”, diz.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta