Consumo de produtos sem glúten cresce no país

297
[tempo para leitura: 3 minutos]

A Schär, especializada no segmento sem glúten, realizou uma pesquisa com consumidores brasileiros sobre o comportamento de consumo de produtos sem glúten. O estudo Consumer Insights é anual e foi realizado pela primeira vez em 2016 em quatro países europeus. Este ano, a empresa ampliou a pesquisa para 11 países, incluindo a Itália, Alemanha, França, Espanha, Reino Unido, EUA, Brasil, entre outros.

No Brasil, foram entrevistados 1966 consumidores da base de dados da Schär. Destes, 85,8% dos entrevistados ou seus familiares seguem uma dieta livre de glúten, sendo que 45% entraram para a categoria nos últimos dois anos, um indicador de que o número de diagnósticos vem crescendo constantemente, duplicando a cada dois anos.

Mais de 70% dos entrevistados consomem produtos sem glúten por necessidade. A doença celíaca foi apontada como o principal fator para adoção da dieta (40%), seguida de sensibilidade ao glúten (33%); 14% dos respondentes afirmaram evitar alimentos com glúten por sentirem que a proteína do trigo faz mal a eles e 10% passaram a consumir produtos sem glúten para acompanhar outros integrantes da família que adotam a dieta.

O estudo apontou que 75% do shopper é composto de mulheres em fase produtiva, entre 25 a 54 anos. Esses números confirmam as estimativas mundiais que apontam que 70% das pessoas diagnosticadas atualmente são do sexo feminino. A proporção é de duas mulheres para cada homem.

Outra tendência identificada no estudo foi o crescimento da categoria de alimentação inclusiva (que inclui outras intolerâncias e alergias). Assim como na década de 90 quando os PDVs abriram espaço para os produtos dietéticos, os alimentos inclusivos, dos quais fazem parte os produtos glúten free e sem lactose, passam também a ser uma categoria relevante no ponto de venda.

Neste ponto, quando perguntados sobre outras restrições alimentares, 62,3% dos entrevistados apontaram que a dieta sem lactose é o requisito dietético mais comum. Esse fato também é esperado, pois estudos apontam que há correlações entre a doença celíaca e outras intolerâncias. Pelo menos, 30% dos celíacos também apresentam intolerância à lactose.  Cerca de 88% dos consumidores passaram a seguir uma dieta restrita a glúten após orientação de um profissional de saúde (gastroenterologista; nutricionista e outros).

A pesquisa também apontou que 94% dos respondentes compram pão regularmente (o item mais procurado pelo público). Desses, 91% preferem pães em temperatura ambiente e apenas 9% compram pães congelados. Em média, 61% dos clientes compram pães toda a semana, adquirindo com eles outros produtos sem glúten.

A pesquisa também revelou alguns pontos de atenção indicados pelos consumidores, que reclamaram especialmente da dificuldade de encontrar produtos nos pontos de venda. Uma forma de aumentar a compra e o acesso aos produtos é disponibilizar os itens sem glúten em prateleiras exclusivas no ponto de venda, solicitação feita por 93,6% dos consumidores, evitando que o cliente precise procurar os produtos dentro do estabelecimento ou em outros locais.

Além dos pães, outros produtos com maior interesse de compra apontado pelo shopper foram os cookies e wafers, farinhas e bases para massas (96%).

O canal de compra preferido do shopper são os supermercados (86%) e mercearias especializadas em alimentação saudável. Porém, o canal online tem apresentado crescimento na preferência do consumidor; representando 23% das compras frequentes. O ticket médio de gastos deste público é em torno de R$ 180,00 por mês.

Estudos da Schär apontam que a marca representa de 25% a 40% das vendas totais da categoria sem glúten no Brasil. No Consumer Insights, 86% dos clientes informaram preferir produtos da marca e comprá-la regularmente.  Os três atributos principais apontados pelo consumidor para a escolha da marca foram: qualidade, confiança e sabor. Os clientes também reforçaram a ampla oferta de produtos (84%) como um grande diferencial.

Após seis anos atuando no Brasil por meio de uma filial de importação e distribuição, a Schär iniciou em 2018 a produção local de pães e farinhas sem glúten. Trata-se da 10ª fábrica do grupo no mundo, e a primeira na América Latina.

A empresa começou a operar em 2012 com um pouco mais de 150 pontos de vendas. Atualmente, está em mais de 6 mil estabelecimentos no país e vem apresentando um crescimento anual na faixa de 10%. No mundo, a Schär está presente em mais de 80 países e possui um faturamento mundial na ordem de 400 milhões de euros.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta