Como aproveitar a onda dos snacks foi tema de painel na NRA Show

68
[tempo para leitura: 2 minutos]

Hoje se encerra mais uma edição da NRA Show, o mais importante evento de varejo do mundo, que acontece em Chicago. O veganismo e a saudabilidade foram destacados no evento. Um dos mais importantes painéis sobre o assunto foi “Attacking the snacking craze” (Atacando a mania de petiscar), que contou com a participação de Aaron Noveshen, fundador e presidente da The Culinary Edge; Jay Miller, diretor de Desenvolvimento de Produtos da Firehouse Subs; Jeff Hanak, vice-presidente de Culinária da Chili’s e a moderação de Patricia Cobe, editora sênior da revista Restaurant Business e diretora de foodservice da Winsight Media.

Os participantes afirmaram que os petiscos, os famosos snacks, estão crescendo e chegando a substituir refeições inteiras. De acordo com pesquisa da Technomics, 36% dos consumidores americanos acreditam que comer um snack entre as refeições é parte de uma dieta saudável. Mas como aproveitar esta tendência?

A oferta de petiscos pode variar muito nos restaurantes, podendo aparecer como aperitivos, porções menores, ou apenas como uma bebida, em geral, saudáveis ou funcionais. “Para aproveitar a melhor oportunidade que o snack pode oferecer, tem que desfrutar o intervalo entre as refeições, mas também oferecer algo que tem a ver com a marca”, afirmou Noveshen.

Miller contou que fez essa pergunta para si mesmo: “Qual produto no menu combina com uma refeição menor e/ ou individual? Concluímos que os tacos seriam a melhor opção para a rede. Tentar focar em tudo provavelmente não é uma boa ideia, mas sim focar na maior oportunidade que combina com seu negócio”.

Noveshen fez o mesmo exercício na “The Culinary Edge” e decidiu incluir uma porção menor do que já tinha no menu. O resultado foi um aumento de vendas na parte da tarde. “Acreditamos que a maior aderência nesse horário venha do consumo dos millenials”, explicou o executivo.

Para aproveitar esta tendência, a rede oferece descontos no período da tarde para o menu de snacks. Além disso, esta aposta ajuda a incentivar o consumo nesse horário, que é fora da hora de pico. “Também investimos em combos, para ajudar a “educar as pessoas” a entender mais sobre os tamanhos da porção de snacks e como podem ser consumidas”, contou Noveshen.

De acordo com Hanak, a rede Chili’s teve sucesso com o programa de fidelidade. Além disso, eles reposicionaram os nachos como snacks, passaram a oferecer porções menores, além de saladas e outros itens, também reduzidos em tamanho. A empresa também mudou a escolha dos endereços para instalação de suas unidades. Passou a focar em localizações com maior potencial para refeições menores e rápidas, como aeroportos.

O executivo não enxerga os petiscos como uma categoria à parte. “Acredito que é uma visão aberta. Não se trata do consumidor procurando especificamente um snack. Ele quer algo para comer e beber. O que acontece é que, cada vez mais, as porções menores estão crescendo em importância”, afirmou Hanak.

Como boa parte do público consumidor de snacks são os millenials, as redes sociais são um ótimo veículo para comunicar as ofertas e lançamentos de petiscos. A Chili’s, por exemplo, investe nelas e nos e-mails do programa de fidelidade para comunicar as novidades. Já a The Culinary Edge foca no Instagram. “Temos um Instagram forte, com imagens bem trabalhadas, visualmente apelativas. Além disso, nosso programa de fidelidade, que utiliza pontos, e nossos produtos sazonais também são formas de divulgação dos snacks”, explicou o fundador da rede.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta