Oferecer entrega de álcool pode ser uma boa opção, mas altamente desafiadora

70
[tempo para leitura: 5 minutos]

Se as vendas dos cinco maiores provedores de serviços terceirizados fossem combinadas – um total de US$ 9,8 bilhões em 2018 – como uma entidade, elas cairiam entre as dez maiores redes de restaurantes dos EUA, disse Donna Crecca, diretora da Technomic durante uma apresentação na NRA Show. Dizer que a entrega está crescendo é um eufemismo. Em 2018, as vendas do delivery aumentaram 55%, além de um aumento de 35% no ano anterior.

Mas à medida que a entrega aumenta, a natureza dos itens que ela oferece continua a mudar também. “As refeições entregues são diferentes”, disse Crecca. Os pedidos agora incluem muito mais, como entradas, acompanhamentos, aperitivos, saladas e, até mesmo, sobremesas. Além disso, o jantar é agora a principal hora do dia para o delivery. Mas, perguntou Donna: “O que está faltando?” Sua resposta: bebidas.

As bebidas são uma das áreas mais lucrativas de um restaurante, mas muito poucos realizam entregas com álcool, disse a executiva. O maior obstáculo tem sido entender as legislações locais e estaduais e treinar a equipe para estar em conformidade com elas. Além disso, o ambiente regulatório está mudando. Estados como a Pensilvânia recentemente abrandaram suas restrições para vender bebidas alcoólicas em mercearias e postos de gasolina. De acordo com o site Takeout, Alasca, Flórida, Minnesota e Washington DC, não exigem licenças para a realização do envio de bebidas alcoólicas para os compradores.

A mudança permitiu que a entrega direta ao consumidor explodisse, disse Crecca. As vendas diretas de vinho em plataformas como a wine.com, por exemplo, representam agora 10% do total das vendas de vinhos no varejo. Prestadores de serviços de entrega da Amazon, Postmates, DoorDash e de especialidades, incluindo Saucy, Thirstie e Minibar, entraram no jogo, além de supermercados como Kroger e Giant Eagle.

Alguns restaurantes começaram a testar, mas a expansão neste sentido tem sido lenta devido às complexidades das leis locais e estaduais. Nos últimos anos, as redes Buffalo Wild Wings, Pizza Hut, TGI Fridays e o BJ’s Restaurant adicionaram bebidas alcoólicas.

A Pizza Hut testou a entrega de álcool pela primeira vez em 2017. O aparente sucesso desse piloto levou a um anúncio em janeiro de que expandiria o serviço para 300 locais em sete estados, com planos de chegar a mil locais até este verão. Donna observou que isso está se tornando parte da proposta de valor da cadeia de pizzas e, provavelmente, continuará crescendo em todo o país. Uma possível chave para a expansão continuada da entrega de álcool pela Pizza Hut é que ela treina seus funcionários para verificar identidades e fazer o manuseio adequado do produto, o que poderia ajudar o crescimento a ser mais suave.

Na frente de restaurantes informais, o BJ’s Restaurant oferece cervejas e vinhos engarrafados diretamente e através de sua parceria com o DoorDash. O TGI Fridays está testando o prestador de serviço de entregas Lash no mercado de Dallas e considerando testar isso em uma base de mercado a mercado, para ver como isso pode se tornar uma parte importante das ocasiões de consumo em casa, ela contou.

Apesar de todas essas opções, os consumidores ainda não têm preferência sobre qual serviço é melhor. “Nenhum serviço único realmente possui a entrega de álcool agora”, disse Donna. “Os consumidores estão muito interessados ​​em todos os modelos.”

Isso significa que há muitas oportunidades para os fornecedores de serviços de restaurantes e de terceiros crescerem neste espaço. Enquanto um punhado de provedores de entrega terceirizados, incluindo Postmates e Grubhub, atualmente oferecem entrega de bebidas alcoólicas, outros estão explorando a ideia também.

“Estamos muito focados na entrega de alimentos, mas o álcool é algo que os consumidores querem”, disse Tyson Queen, diretor nacional de vendas da Waitr. “É um serviço que gostaríamos de trazer [aos consumidores], mas há muitos obstáculos para superar. Queremos garantir que seja feito corretamente, ao invés de apenas fazê-lo”.

Ele disse que a empresa está trabalhando em entender a legislação, o que acontece com contêineres escondidos e quem é responsável pelo que. Na Louisiana, onde a empresa está sediada, a Waitr está tentando fazer uma legislação para levar a entrega de álcool aos consumidores ser aprovada.

Os consumidores se beneficiam de ter um único local para comprar tudo e os restaurantes ganham outro ponto de contato para atingir sua base de consumidores, disse ele.

E aqueles que fazem pedidos, principalmente consumidores mais jovens, já estão preparados para pedir álcool. Oito entre 10 consumidores de 21 a 34 anos estão pedindo comida pelo menos uma vez por mês, e, cerca de 47% compram álcool em todas as ocasiões em que pedem comida ou na maioria delas, disse Donna.

Este grupo demográfico também vê a entrega de álcool como uma ocasião cotidiana. Eles pedem bebidas adultas com mais frequência do que os consumidores mais velhos para refeições de fim de semana, disse a executiva, com um terço comprando para uma refeição no fim de semana, comparado a 21% dos consumidores com 35 anos ou mais. Durante os dias da semana, esses números mudam para 21% para os consumidores mais jovens e 15% para os mais velhos.

“Isso é algo em que precisamos ficar de olho”, disse ela. “Sempre que você vê que o consumidor mais jovem foca fortemente em um comportamento, você pode assumir que a demanda e esse comportamento vão crescer”.

Ao emparelhar o álcool com a entrega de comida, os restaurantes podem impulsionar o tráfego para viagem. Quase 70% dos consumidores disseram que prefeririam encomendar álcool e comida do mesmo provedor, e dois terços dos consumidores disseram que pediriam comida de um restaurante se soubessem que também podem pedir bebidas para adultos, disse Donna.

Isso significa que os restaurantes poderiam se beneficiar de um aumento nos gastos com delivery e aumentar a fidelidade do cliente, disse ela.

Também pode ser uma maneira de levar a experiência da loja para o cliente. Embora a entrega de destilados possa ser complicada em alguns estados, os clientes podem pedir kits de coquetel e instruções sobre como fazê-lo, explicou Donna. Em seguida, eles usam suas próprias bebidas alcoólicas para fazer um drink assinado de um restaurante ou bar.

Mesmo com este aumento potencial no tráfego de entrega, Crecca disse que a entrega de álcool é como uma “faca de dois gumes”. De acordo com dados da Technomic, 27% dos consumidores dizem que vão pedir o recebimento de álcool em vez de ir a um bar ou restaurante, e 27% também dizem que vão aos restaurantes e bares com menos frequência porque agora têm a opção de encomendar bebidas. Com as gerações mais jovens, essa estatística para as duas ocasiões aumenta para 33%.

“Isso é um pouco preocupante porque o que está acontecendo é efetivamente diminuir o tráfego para um restaurante”, disse ela. Enquanto a maior parte do fornecimento de álcool leva os consumidores a se envolverem com os restaurantes com mais frequência, ela disse que a indústria precisa prestar atenção a essa tendência para ver se ela tem impactos de longo prazo.

Lançar a entrega de bebidas alcoólicas não é fácil. Para Crecca, antes de os restaurantes adicionarem este serviço, eles precisam de uma boa compreensão de seus clientes e da entrega de alimentos em primeiro lugar. Como eles estão interagindo com a entrega? Isso é algo que eles realmente querem? Quando eles estão pedindo e para quê? Há muitas perguntas que os operadores devem considerar antes de colocar bebidas alcoólicas no menu de entrega.

Talvez o problema mais complicado para resolver sejam as legislações, tanto no nível local quanto no estadual. A executiva também enfatizou que os restaurantes precisam garantir que seus parceiros de entrega também estejam em conformidade com as regulamentações de bebidas.

Outras considerações incluem garantir que as bebidas cheguem na temperatura certa para que os consumidores possam apreciá-las imediatamente com suas refeições, o marketing e os preços. O custo pode ser complicado porque, se houver uma margem de lucro excessiva, os consumidores provavelmente não farão o pedido se não receberem os mesmos benefícios de ter um garçom e o mesmo nível de serviço de um restaurante ou bar.

Obter um melhor entendimento desse segmento pode ser benéfico em longo prazo, especialmente porque a demanda por álcool não deve diminuir tão cedo. Mais de um terço dos consumidores mais jovens disseram que planejam encomendar mais álcool no futuro e 27% dos consumidores com mais 35 planejam pedir mais, disse Crecca. “Muitas pessoas apreciam essa conveniência e é provável que isso continue a crescer”, disse ela.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta