Fundo dono das livrarias Waterstones comprará Barnes & Noble

385
[tempo para leitura: 2 minutos]

Uma subsidiária do fundo de hedge Elliott Management irá comprar a Barnes & Noble por cerca de US$ 683 milhões. O fundo de US$ 34 bilhões já é dono da livraria Waterstones e, assim que o negócio for finalizado, o CEO da Waterstones, James Daunt, assumirá o papel de CEO da Barnes & Noble, de acordo com um comunicado de imprensa. A Elliott Management assumiu a Waterstones há cerca de um ano.

As partes esperam que o acordo – sujeito à aprovação dos acionistas e da legislação – seja encerrado no terceiro trimestre. A Elliott tem US$ 825 milhões em financiamento de dívidas alocado dos bancos para financiar a aquisição.

O acordo com o fundo Elliott poderia marcar o fechamento de um capítulo turbulento na história da Barnes & Noble, que incluiu uma fusão fracassada, uma batalha judicial com um ex-executivo e a agitação de investidores. E, antes disso, a empresa já vinha enfrentando há anos a rotatividade administrativa, falhas estratégicas e perda de vendas, à medida que vinha tentando enfrentar a concorrência da Amazon.

O presidente Leonard Riggio disse aos funcionários em uma carta que sua empresa tinha “muitas partes interessadas” em ser potenciais compradores, incluindo outros players da indústria de venda de livros. A Barnes & Noble começou a procurar um novo proprietário em outubro.

Riggio também falou aos colaboradores da empresa sobre a nova liderança: “Por acaso, eu conheço James Daunt muito bem, e estou muito feliz por tê-lo como nosso novo líder”. De acordo com o empresário, “James acredita que nossa cultura tem que ser mais centrada nas lojas, o que significa maior especialização de sortimentos e operações. Isso significa que ele acredita que os gerentes locais devem ter mais autoridade para realizar o trabalho.”

As empresas disseram no comunicado de imprensa que cada uma funcionará de forma independente, mas compartilhará as melhores práticas entre si, além de um CEO. Em outro comunicado à imprensa, a Barnes & Noble disse que a Waterstones, a maior varejista de livros do Reino Unido, “restaurou com sucesso o crescimento de vendas e lucratividade sustentável, com base em uma estratégia de investimento em suas propriedades e o empoderamento das equipes locais de venda de livros.”

Se a nova fusão trouxer estabilidade e foco para a Barnes & Noble, poderá marcar um ponto de virada para a empresa, que tem lutado para encontrar o caminho depois que uma série de CEOs veio e foi, trazendo novas iniciativas – como restaurantes – que não conseguiram mudar a sorte da rede de livrarias.

É muito provável que a Barnes & Noble, com suas quase 630 lojas, precise encolher um pouco mais e continuar mexendo em suas estratégias de merchandising, lojas e engajamento.

“O modelo básico de negócios dos varejistas de livros foi seriamente abalado”, disse Mike Shatzkin, consultor da indústria de livros e CEO da The Idea Logical Company. “Tenho certeza que é frustrante para o CEO e para Len Riggio, que gostaria de se aposentar… mas ele não quer deixar um fracasso como legado, ele quer deixar um sucesso.”

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta