Restaurantes investem em opções vegetarianas e sustentáveis

192
[tempo para leitura: 3 minutos]

A preocupação com o meio ambiente e os impactos que o consumo desenfreado gera tem levado os consumidores a prestar mais atenção com a origem daquilo que comem, vestem e utilizam. Veganos e vegetarianos são exemplos disso. Assim, as empresas têm se movimentado para adotar práticas sustentáveis.

Pesquisa da Euromonitor International, realizada entre 2016 e 2017, aponta que o Brasil é o sexto país do mundo em número de vegetarianos, com 166,5 mil pessoas, atrás de Nigéria, Paquistão, Indonésia, Filipinas e Alemanha. No período do estudo, o mercado vegano gerou US$ 12,5 bilhões no varejo global, dos quais R$ 2,8 milhões foram no Brasil.

Ricardo Pastore, coordenador do núcleo de varejo e do centro de tendências Retail Lab da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de São Paulo acredita que o vegetarianismo cresce devido a questões culturais. Para ele, o veganismo é o maior responsável pelo crescimento dos produtos ligados ao bem-estar. “À medida que o consumidor brasileiro ganha renda, começa a optar por produtos mais saudáveis”, afirmou Pastore.

Grandes redes de restaurantes, como McDonald’s, Burger King, Ragazzo, Giraffas, Outback, Habib’s e Taco Bell inseriram pratos vegetarianos em seus cardápios, embora ainda não tenham criado opções veganas. A rede Bob’s também deve lançar alimentos vegetarianos, que estão sendo desenvolvidos.

“Os hábitos alimentares estão mudando de uma forma geral, vemos as pessoas muito mais preocupadas com a saúde, motivadas por alergias ou convicções pessoais”, disse André Figueiredo, diretor de comunicação do Grupo Habib’s. Ele acredita q o vegetarianismo e o veganismo são tendências que não podem ser ignoradas pelos restaurantes. “Há também outros fatores importante a serem consideradas a médio e longo prazos como o envelhecimento da população, que impulsionará o crescimento dessas categorias de produtos, além da escassez de alimentos, que exigirá do setor da alimentação uma transformação grande para suprir a falta de matérias-primas”, esclareceu.

O grupo inseriu no cardápio do Habib’s as esfihas de queijo e de espinafre e sucos naturais. No Ragazzo estão disponíveis lasanha, fogazza e uma coxinha vegetariana. A marca também oferece sucos naturais cujos copos podem ser plantados, retornando para a natureza. O executivo da empresa afirma que o segmento exige muitos testes e análise, para que as opões que chegam ao consumidor tenham qualidade.

Para Luciana Morais, diretora de marketing do Giraffas, o preço também influencia neste crescimento.  “Além da agenda político-social, que busca reduzir o consumo de carne, o consumidor encontra opções com preços mais acessíveis do que há alguns anos”, afirmou. A executiva destaca que além das opções vegetarianas e veganas, as empresas também devem se atentar para os resíduos que geram e a origem do que utilizam como matéria-prima. “Com foco no consumo consciente, as marcas estão trabalhando para reduzir a quantidade de plásticos, investindo em soluções biodegradáveis. Empresas que trabalham com carne estão buscando fornecedores ou produtores que trabalham de uma forma que evite os maus tratos. Outras estão reduzindo sódio e açúcar nos alimentos industrializados, elaborando rótulos mais informativos”, contou.

A rede Giraffas lançou pratos vegetarianos em seu novo cardápio. Para a produção destes novos itens, a empresa firmou parceria com a Superbom, indústria de alimentos voltada para produtos saudáveis. Entre as opções estão steak empanado à base de ervilha com sabor de frango. O investimento para o lançamento destes novos itens deve girar em torno de RS 500 mil. “A empresa já vinha planejando um cardápio vegetariano, por conta da grande demanda nas lojas”, disse Luciana.

O Outback também realizou lançamentos para atender esta demanda, com o Jack Nachos, que são tortillas de milho, o Veggie Blue Cheese Burger (hambúrguer de brócolis, couve-flor e queijo gorgonzola) e o Veggie Bites (almôndegas de berinjela defumada). “Entendemos que os vegetarianos têm uma tendência menor em querer adaptar pratos dentro do restaurante. Tanto em contatos recebidos pelo Fale Conosco quanto nas redes sociais, entendemos uma forte demanda por produtos com esse perfil veggie específico”, contou Renata Lamarco, diretora de marketing do Outback.

De acordo com a executiva, a empresa realizou uma série de pesquisas, a fim de oferecer bons produtos para atender a demanda crescente dos públicos vegetariano e vegano. De acordo com Renata, a iniciativa deu certo: “Os produtos geraram rápida identificação com os clientes: aqueles que faziam adaptações dentro do menu para poder desfrutar do sabor ficaram felizes de poderem ter opções voltados para seus hábitos e até mesmo os clientes que não têm exigências específicas se aventuraram nesse menu e aprovaram”.

*Imagem reprodução

Deixe uma resposta