BRF digitaliza fábrica e passa a usar smartphones em controle de qualidade

3366
[tempo para leitura: 2 minutos]

Para aprimorar sua produção de pizzas na fábrica em Ponta Grossa, Paraná, a BRF está digitalizando a unidade. Os smartphones passaram a ser utilizados para coletar dados na linha de produção, o que antes era feito por meio de canetas e planilhas. As informações são inseridas em um aplicativo e armazenadas na nuvem. De acordo com a companhia, a expectativa é reduzir custos, o desperdício de matéria-prima e aumentar a produtividade. A fábrica tem capacidade para produzir 6 mil pizzas por hora

O app utilizado pelos funcionários registra dados como diâmetro e temperatura das pizzas na linha de produção. Anteriormente, as informações eram inseridas em planilhas e posteriormente eram realizados cálculos indicando possíveis inconsistências. O aplicativo realiza a análise dos dados e gera um alerta caso haja algo diferente do padrão. Assim, as decisões podem ser tomadas de forma mais rápida, para fazer mudanças ou interromper a produção.

“Se a pizza estiver fora do padrão, será gerado um alerta em tempo real. A tomada de decisão sobre a necessidade de calibrar uma máquina é na hora. Por exemplo, se o app mostrar que a pizza está com o peso acima do definido, é porque a máquina está colocando mais ingredientes. O objetivo é melhorar o processo de gestão, que antes era feito manualmente”, disse Leandro de Lima, gerente de tecnologia da informação da BRF.

A tecnologia está em fase de testes e após o piloto com os operadores, serão lançadas ferramentas para os gestores. A expectativa é começar a nova fase ainda este mês. Os funcionários aprovaram a mudança. De acordo com o gerente, como os smartphones são parte do dia a dia, o processo de transição não foi difícil. A intenção é que, no futuro, com o uso de learning machine, as informações sejam usadas para a tomada de decisões.

A transformação digital também deverá acontecer nas fábricas de Toledo (PR), Videira (SC) e Lucas do Rio Verde (MT). A tecnologia será usadas nas linhas de processamento de aves, produção de presuntos e de mortadela. O objetivo é expandir a solução para todas as 27 unidades da empresa. Outros processos digitais estão sendo implementadas em áreas como recursos humanos, comercial, logística e agropecuária.

*Imagem reprodução

Deixe uma resposta