Projeção de crescimento do varejo é reduzida pela sexta vez consecutiva

1176
[tempo para leitura: 2 minutos]

Apesar da alta no faturamento do comércio varejista ampliado de 0,2% em maio, em relação a abril, apontado pela Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) reduziu de +4,5% para +4,2% sua expectativa de crescimento do varejo ampliado. Essa foi a sexta redução mensal consecutiva na expectativa para o desempenho do setor.

O varejo restrito, que exclui os segmentos automotivo e de materiais de construção, recuou 0,1% em maio, e só cresceu uma vez nos últimos quatro meses (0,1% em março). “Apesar do terceiro avanço mensal do volume de vendas, o ritmo idêntico ao observado em abril sinaliza um segundo trimestre ainda fraco, do ponto de vista do consumo”, destaca o chefe da Divisão Econômica da CNC, Fabio Bentes.

Na comparação anual, o varejo ampliado registrou alta de 6,4%, e o varejo restrito de 1%. Mas a base de comparação foi afetada pela greve dos caminhoneiros, que provocou recuo mensal de 5,3% em maio de 2018, prejudicando a real mensuração do crescimento anual do setor. No acumulado do ano, o menor ritmo de expansão do varejo ampliado (+3,3%), em relação a 2018 (+6,3%), evidencia dificuldade de crescimento da economia em 2019. “No caso do comércio varejista, a maior dificuldade na retomada do nível de atividade advém da lenta recuperação do emprego”, destacou Bentes.

A expectativa da CNC é que na segunda metade do ano, após a reforma da Previdência e o início da reforma tributária, se somem medidas positivas do governo que estimulem a reativação da economia. Neste cenário, o setor poderia crescer entre 4,5% e 5% na segunda metade de 2019, encerrando o ano corrente com avanço de 4,2%. Já no conceito restrito, a entidade projeta alta de 2,1% em relação ao ano de 2018.

Os segmentos de vestuário, com alta de 1,7% no volume de vendas e o de hiper e supermercados, com alta de 1,4%, se destacaram positivamente em razão dos preços. Segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), os alimentos ficaram em média 0,56% mais baratos em maio. Já no ramo do vestuário a inflação (+0,34%) foi a menor para o mês de maio desde 2001 (+0,14%).

*Imagem reprodução

Deixe uma resposta