Bancos do Futuro – qual o papel das agências bancárias num ambiente cada vez mais digital?

1517
[tempo para leitura: 3 minutos]

Lá na distante Parnaíba, município brasileiro do estado do Piauí, com população de pouco mais de 150 mil habitantes, a TecBan inaugurou a pouco mais de três meses, de maneira discreta, sem estardalhaço, sua primeira loja conceito. A TecBan é a empresa que administra os “Bancos24Horas” em todo o Brasil. A iniciativa faz parte de um projeto piloto que testa o conceito dos “Espaços Multibanco”. Parnaíba é a primeira cidade do Brasil a receber este modelo de atendimento e foi escolhida para o projeto por ser um município relevante em um estado onde existe a procura por serviços dos terminais do Banco24Horas. Mas o que é um espaço Multibanco?

Trata-se de um imóvel onde se constrói uma agência bancária sem atendimento humano, praticamente autônoma, apenas com equipamentos de caixas eletrônicos (ATM). O espaço permite que clientes de mais de 40 instituições financeiras sejam atendidos num mesmo local, com acesso a saques, consultas de saldo, emissão de extrato e pagamento de contas, entre outras transações, sem pagar nada a mais por isso. Além de caixas eletrônicos, a população conta também com uma área de convivência climatizada e com wifi gratuito. Também está prevista para a segunda fase do projeto a incorporação de outros serviços como atendimento bancário pessoal e outras parcerias.

Bom, enquanto as criptomoedas não se tornarem populares e passarem a fazer parte do dia a dia da população, por aqui as agencias físicas bancárias terão ainda vida longa. Porém, os testes em Parnaíba podem ser o futuro que está sendo delineado para as agências bancárias no país.

Num passado recente, visitar diariamente uma agência bancária fazia parte da rotina do brasileiro. Aí surgiram os internet banking, que se aperfeiçoaram com o tempo e evoluíram para os aplicativos utilizados em smartphones e tablets. Este fenômeno tem desencadeado a migração das transações bancárias de clientes das agências para canais digitais. Mas uma nova revolução está em curso, tornando o cenário extremamente competitivo com o advento das fintechs. Essas plataformas digitais de serviços financeiros, com apoio do Banco Central, se multiplicaram nos últimos anos e têm avançado sobre mercados lucrativos dos grandes bancos, como os de crédito ao consumo e o de meios de pagamentos.

Por este cenário, é certo afirmar que a migração das transações digitais sobre as transações físicas é um caminho sem volta. Os bancos serão digitais. E qual o papel das agências físicas? A “Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2018” aponta que, em 2017, o mobile banking, caiu definitivamente no gosto dos clientes. Segundo a pesquisa, já são 56 milhões de contas ativas neste canal.

A mesma pesquisa aponta também que em regiões de melhor poder aquisitivo como o Sul e o Sudeste, com maior penetração de tecnologia, apenas eventualmente os clientes precisam recorrer às agências físicas e só para tratar de assuntos de maior complexidade. Esta é a realidade que começa se formar, sobretudo nas grandes cidades e capitais – regiões que deverão diminuir proporcionalmente a quantidade de agências físicas. Porém, num país de dimensões continentais com enormes desigualdades, em regiões com baixa escolaridade e baixa penetração da internet, ainda persistirá a necessidade da presença das agências bancárias.

É aí que Parnaíba volta em cena. Uma cidade pequena, localizada na região Nordeste, onde as dificuldades financeiras impedem a compra de smartphones sofisticados e a contratação de planos de internet móvel com grande capacidade, está sendo palco dos testes dos novos modelos de agências. A unidade de Parnaíba conta com o uso intenso da automação; sistemas de segurança e monitoramento de última geração; poucos ou nenhum atendente ou funcionários fixos; multibandeira e abertas 24 horas. É ou não é a agência bancária do futuro?

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta