Redes americanas de restaurantes investem na China para crescer

274
[tempo para leitura: 4 minutos]

Em meio a uma guerra comercial travada há mais de um ano, as maiores redes de restaurantes dos EUA estão ampliando suas atuações na China. As tensões aumentaram depois que Trump ameaçou implementar outras tarifas sobre os US$ 300 bilhões de produtos chineses que ainda não haviam sido atingidos por impostos norte-americanos.

Esta guerra comercial já pesou sobre a economia chinesa, que teve em julho 6,2% de crescimento, a menor taxa em 27 anos. Para Aaron Allen, da Aaron Allen & Associates, este cenário é positivo para as redes de fast food porque as pessoas tendem a escolher opções mais baratas para comer fora de casa. Além disso, o mercado de foodservice está em crescimento.

Além disso, mesmo com a desaceleração, o crescimento econômico da China ainda é maior do que nos EUA. Com uma população de 1,4 bilhão de pessoas, a China é um mercado atraente para cadeias de restaurantes que buscam novos clientes. “Quando você olha para esse potencial, isso não retrai as marcas americanas que querem entrar na China”, disse Allen.

No entanto, os restaurantes podem sentir um pouco da guerra comercial. As redes multinacionais normalmente compram alguns alimentos de seus mercados domésticos e alguns dos mercados locais, de acordo com Allen.

As tarifas retaliatórias cobradas pela China sobre bens dos EUA podem resultar em custos mais altos de alimentos. E as tensões comerciais entre os dois países já resultaram na estagnação de alguns produtos norte-americanos nos portos chineses.

McDonald’s – O McDonald’s está planejando abrir mais de 400 lojas na China até o final de 2019, como parte de um plano de cinco anos para quase dobrar sua contagem de lojas para 4.500 até 2022.

Em 2017, a empresa vendeu a maior parte de seus negócios na China e em Hong Kong para o Carlyle Group, uma empresa de private equity dos EUA, e Citic, um grupo de investimento estatal, como parte de uma estratégia global mais ampla para reduzir a Arcos Dourados. O acordo ajudou a gigante global de fast-food a cortar custos porque não precisa mais operar essas lojas, mas ainda pode arrecadar renda e royalties.

Steve Easterbrook, CEO da McDonald’s, disse que a empresa está muito confiante em seu futuro a longo prazo na China. Embora a cadeia de fast-food não divulgue as métricas de desempenho do país individualmente, os executivos disseram que as lojas chinesas viram as vendas e o tráfego crescerem no segundo trimestre deste ano.

“É incrivelmente competitivo. Você vê o ritmo em que outras pessoas estão se expandindo, mas é um mercado enorme”, disse ele o executivo. “A classe média emergente, a maior acessibilidade da população em massa, está caminhando para o tipo de verificação e acessibilidade média do Western [restaurante de serviço rápido].”

Durante seu segundo trimestre, um ano atrás, a China e os EUA estavam no meio da imposição de tarifas de retaliação sobre bilhões de dólares em importações. Como resultado, o crescimento do tráfego do McDonald’s na China sofreu um impacto.

Em termos do impacto direto das tarifas, Easterbrook disse que a empresa não está muito exposta porque seus restaurantes internacionais geralmente não importam a maioria dos alimentos utilizados pela cadeia.

As ações da McDonald’s, que têm um valor de mercado de US $ 164,4 bilhões, aumentaram 20% até o momento em 2019.

Restaurant Brands International – A mais recente aquisição da Restaurant Brands International, o Popeyes Louisiana Kitchen, anunciou um acordo de franquias para a abertura de 1.500 lojas na China durante a próxima década.

O inimigo do Popeyes, KFC, já tem forte presença no país, com mais de 6 mil lojas. O KFC registrou US$ 1,4 bilhão em vendas líquidas na China, mais de um quarto da receita total da rede, durante o segundo trimestre. A Yum Brands, empresa controladora do KFC, desmembrou seus negócios chineses na Yum China, que agora opera essas lojas, em novembro de 2016.

O Popeyes é a última das três cadeias da Restaurant Brands a assinar um acordo. O Burger King tem mais de mil lojas na China. A rede canadense de café Tim Hortons assinou um acordo no ano passado para abrir 1.500 lojas no país na próxima década.

As ações da Restaurant Brands, que tem valor de mercado de US$ 35,6 bilhões, aumentaram 48% até agora este ano. A empresa não divulga métricas financeiras para mercados individuais.

A Tim Hortons, que se gaba de vender oito a cada dez xícaras de café no Canadá, tem visto lento crescimento das vendas em seu mercado doméstico. Agora, a rede está olhando para o mercado de café da China que vem se expandindo rapidamente.

Depois de abrir sua primeira loja na China em março, hoje a Tim Hortons tem 14 unidades. O CEO da Restaurant Brands, Jose Cil, disse a analistas que a rede está tentando tornar a marca canadense relevante para o consumidor chinês, ajustando seu cardápio de alimentos e criando mais bebidas à base de chá.

A China é famosa por ser uma nação de bebedores de chá, mas as vendas de café vêm crescendo, à medida que cadeias como Starbucks e Luckin Coffee, sediada em Xiamen, se expandem rapidamente.

Starbucks – A Starbucks tem a China como um de seus mercados de crescimento a longo prazo, junto com os EUA.

A gigante global do café, que está comemorando seu vigésimo ano na China, tinha mais de 3.900 lojas no final de junho. O objetivo é chegar a 6 mil lojas chinesas até 2022.

As vendas no segmento China / Ásia-Pacífico da Starbucks representaram quase 20% de sua receita no terceiro trimestre fiscal. A empresa sediada em Seattle reportou um crescimento nas vendas mesmas lojas de 6% na China durante o trimestre.

“Continuamos otimistas com as oportunidades de mercado a longo prazo, à medida que investimos para construir novas lojas e expandir nossa presença”, disse Kevin Johnson, CEO da rede.

As ações da Starbucks, que têm um valor de mercado de US$ 114,4 bilhões, aumentaram 48% até agora este ano. Às vezes, como no primeiro semestre de 2018, o crescimento robusto de vendas nas mesmas lojas da China convenceu os investidores a manter as ações, à medida que seus negócios nos EUA diminuíam.

Embora a China fique atrás dos EUA no que diz respeito ao consumo de café per capita, o país asiático está mais adiantado no que diz respeito à entrega de bebidas. Aproximadamente 6% das vendas totais do país durante o terceiro trimestre vieram das entregas, disse Johnson.

Fonte: CNBC
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta