iFood inicia testes para entrega de comida com drones

711
[tempo para leitura: 2 minutos]

O iFood fechou parceria com a Speedbird Aero (SMX), empresa que desenvolve e opera drones, para a criação de um projeto de pesquisa e desenvolvimento de entrega com drones no país. A primeira fase de implantação, que deve começar em outubro, será realizada em Campinas, interior de São Paulo.

O projeto está sendo realizado com parte do aporte de US$ 500 milhões feito para a foodtech crescer de forma acelerada. O investimento será aplicado também em meios de pagamento, tecnologia e inteligência artificial.

“Hoje realizamos mais de 18 milhões de pedidos mensalmente, o que demonstra o enorme potencial de crescimento do mercado brasileiro. Estamos buscando melhorar a experiência dos nossos 12 milhões de clientes cadastrados. Isso inclui aperfeiçoar o nosso sistema de logística com o objetivo de otimizar a operação dos 80 mil restaurantes e 120 mil parceiros de entrega”, reforçou Carlos Moyses, CEO do iFood.

O projeto piloto deve operar de duas formas. Em uma delas, o drone fará a coleta de pedidos no shopping Iguatemi Campinas e os levará até o iFood Hub, um centro de distribuição alocado dentro do empreendimento, fazendo a primeira parte do trajeto.

A partir daí as entregas seguem por modais como moto, bike ou bicicleta elétrica. No outro modelo de operação, haverá uma rota entre o iFood Hub e um condomínio residencial.

Nesse caso, os clientes podem retirar no droneport, estrutura de onde decolam e aterrissam os drones, ou ainda ter a rota concluída por um entregador parceiro.

“O drone ainda não fará entregas na janela dos clientes. A ideia é que ele complemente a operação dos modais tradicionais. Em um shopping, por exemplo, os entregadores podem levar até 12 minutos para retirar o pedido no restaurante e, com o uso do drone, esse tempo varia entre 30 segundos e 1 minuto”, explicou Roberto Gandolfo, diretor de Logística do iFood.

O drone da Speedbird Aero tem tecnologia brasileira e foi especialmente desenvolvido para transporte de carga. Ele tem capacidade para até 2kg, voa a 40 km/h e alcança alturas de até 60m, o equivalente a um prédio de 20 andares.

Além de contar com uma caixa térmica que mantém a temperatura dos alimentos, o sistema de acoplagem do pedido é totalmente seguro e utiliza um potente ímã eletro permanente.

Em recentes voos realizados em Barueri, acompanhado por órgãos reguladores, o equipamento cobriu uma distância de 1,5km em apenas 4 minutos. As rotas são automatizadas e sempre contam com o acompanhamento de um especialista.

Além de desenvolver e operar drones, a Speedbird Aero gerencia todo o processo de criação de rotas e aprovação de planos de voos juntos aos órgãos reguladores, com acompanhamento do iFood.

“Entendemos a importância de realizar operações com total segurança e sabemos que o Brasil é considerado referência no controle do espaço aéreo. Por isso, estamos trabalhando com um parceiro sério para desenvolver um projeto robusto que seja seguro, eficiente e economicamente sustentável”, completou Gandolfo.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta