Banco MYBank, do fundador do Alibaba, já concedeu crédito para mais de 16 milhões de pequenas empresas

400
[tempo para leitura: 2 minutos]

O banco digital de Jack Ma, fundador do Alibaba, está revolucionando a concessão de crédito às pequenas empresas da China. O MYBank tem apenas quatro anos, mas já emprestou US$ 290 bilhões para quase 16 milhões de pequenas empresas. Em apenas três minutos e sem nenhuma interação humana, é possível receber dinheiro quase instantaneamente. Até agora, a taxa de inadimplência é de 1%.

Para a economia chinesa, que no último trimestre cresceu em seu ritmo mais lento desde 1992, o sucesso da iniciativa de Jack Ma pode trazer resultados bastante positivos. Na China, as pequenas e médias empresas respondem por cerca de 60% do crescimento econômico do país, empregando 80% dos trabalhadores, e foram perseguidas por muito tempo como parte de uma perseguição do governo a agiotas profissionais.

O boom financeiro e tecnológico que transformou a China no maior mercado mundial para pagamentos eletrônicos está mudando a maneira como os bancos interagem com as empresas que impulsionam o crescimento econômico. Quanto mais o MYBank consegue reunir dados de clientes a partir de sistemas de pagamentos e mídias sociais, os bancos se sentem mais confortáveis em dar crédito para pequenos credores.

De acordo com Cliff Shing, gerente de serviços financeiros da consultoria Oliver Wyman, um dos fatores para o crescimento do uso de inteligência artificial na concessão de crédito é a falta de rigor do país em relação à privacidade. “Nosso marco regulatório facilita a geração de uma enorme quantidade de dados, o que garante uma plataforma de testes incomparável”, afirmou Sheng.

O banco online de Jack Ma não é o único a apostar em empréstimos para pequenas e médias empresas. O Construction Bank, segundo maior banco do país, aumentou em 51% seus empréstimos no ano passado. A instituição lançou um aplicativo para dispositivos móveis que pode processar pedidos de até 5 milhões de yuans (R$ 2,75 milhões) em menos de dois minutos.

Fonte: Época Negócios
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta