Movimento do Comércio recua 0,7% em julho, diz Boa Vista

65
[tempo para leitura: 2 minutos]

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, recuou 0,7% em julho deste ano na comparação com junho, já descontados os efeitos sazonais, de acordo com dados apurados pela Boa Vista.

A queda se deu após a alta de 1,3% em junho – a única alta mensal do ano. Na comparação com julho de 2018, houve queda de 3,7%, enquanto, no acumulado em 12 meses, o indicador registrou desaceleração e subiu 1,2%.

Fatores como alto nível de desocupação e subutilização da mão de obra, menor confiança e tímido crescimento da renda continuam sendo os principais entraves para uma evolução mais robusta do setor. Apesar das condições favoráveis do mercado de crédito, o endividamento em alta também parece comprometer uma retomada mais acelerada dos empréstimos e, consequentemente, das vendas.

A liberação dos recursos de contas ativas e inativas do FGTS, por outro lado, deve trazer uma injeção de ânimo para o comércio, já que pode reverter a trajetória de desaceleração das vendas observada desde o ano passado.

Setores
Na análise mensal, nota-se que o recuo do movimento do comércio em julho foi puxado pelos segmentos de “Móveis e eletrodomésticos” e “Supermercado, alimentos e bebidas”.

O segmento de “Móveis e Eletrodomésticos” apresentou queda de 2% em julho, descontados os efeitos sazonais. Nos dados sem ajuste sazonal, o acumulado em 12 meses ficou praticamente estável (-0,2%).

A atividade de “Supermercados, Alimentos e Bebidas”, por sua vez, registrou queda de 0,8% no mês na série dessazonalizada. Na série sem ajuste, a variação acumulada em 12 meses foi de 1,2%.

Já a categoria de “Tecidos, Vestuários e Calçados” cresceu 1,3% no mês, expurgados os efeitos sazonais. Nos dados acumulados em 12 meses houve alta de 3%.

Por fim, o segmento de “Combustíveis e Lubrificantes” ficou praticamente estável em julho (+0,1%) considerando dados dessazonalizados, enquanto, na série sem ajuste, a variação acumulada em 12 meses foi de 1,2%.

* Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui