Baidu perde mais de US$ 60 bilhões em valor de mercado

430
[tempo para leitura: 3 minutos]

O gigante de buscas chinês Baidu está enfrentando forte concorrência de seus rivais mais novos, e perdeu mais de US$ 60 bilhões de seu valor desde o seu auge.

A empresa é parte do trio da internet da China – Baidu, Alibaba e Tencent – que coletivamente receberam o nome de “BAT”. Mas está enfrentando um mercado de publicidade cada vez mais difícil e está ficando atrás dos outros dois rivais.

Muitas vezes apelidada de “Google da China”, o Baidu viu suas ações caírem quase 40% este ano. Em contraste, a gigante dos jogos virtuais Tencent subiu pouco mais de 6%, enquanto o líder do e-commerce Alibaba cresceu mais de 27%.

Em seu pico, em meados de maio de 2018, o Baidu valia cerca de US$ 99 bilhões – com suas ações cotadas a US$ 284. Os estoques da gigante das buscas caíram para US$ 96,7 por ação, com sua capitalização de mercado caindo para US$ 33,8 bilhões. Comparativamente, Tencent e Alibaba valem mais de US$ 400 bilhões.

Os analistas esperam ainda mais sofrimento para o Baidu. As previsões de Wall Street para os resultados do segundo trimestre são:

Receita de 25,76 bilhões de yuans (US$ 3,66 bilhões), segundo estimativas da Refinitiv. Se esse número se confirmar, representaria um declínio de quase 0,8% ano a ano.

Lucro por ação de 2,91 yuans, segundo estimativas da Refinitiv. Se atingido, isso representaria mais de 83% de declínio ano a ano.

Durante muito tempo, o Baidu desfrutou do domínio do mercado de buscas da China, devido à ausência de grande concorrência. O Google saiu do mercado em 2010.

Mas o Baidu demorou a responder ao crescimento da telefonia móvel e tem enfrentado uma crescente concorrência de novos participantes, como a ByteDance, empresa dona da TikTok. Como resultado, os anunciantes mudaram seus orçamentos para outras plataformas.

“Esta é uma mudança estrutural que é desfavorável para o negócio de busca principal do Baidu”, disse Xueru Zhang, analista sênior da 86Research.

Na China, há uma tendência dos chamados “super aplicativos”. São produtos como o WeChat, da Tencent, ou o Alipay, da Ant Financial, onde um usuário pode fazer várias coisas, desde pagamentos a pedidos de comida, tudo em um único aplicativo.

O Baidu tem investido pesadamente em sua própria oferta móvel. Tem um aplicativo onde os usuários podem pesquisar e assistir a vídeos, além de outras funções. A empresa anunciou na semana passada que o número de usuários ativos diários no aplicativo ultrapassou os 200 milhões.

A empresa introduziu recursos como mini-programas, que são aplicativos dentro do aplicativo – algo que o WeChat já tem em sua plataforma. O objetivo é aumentar a quantidade de tempo que os usuários passam no aplicativo. Mas Zhang disse que o Baidu está atrasado.

“O Baidu é apenas um seguidor, e o mercado não deu muito crédito a essas iniciativas”, disse Zhang.

A companhia vem mudando seus negócios para se concentrar em produtos de inteligência artificial (IA). Isso inclui sua unidade de tecnologia de carros sem motorista e o assistente de voz, por exemplo.

“Estamos alavancando o Baidu IA para fornecer soluções corporativas para empresas e governos locais, o que amplia significativamente nosso mercado total endereçável”, disse o CEO do Baidu, Robin Li, na declaração de resultados do primeiro trimestre.

Enquanto 2019 parece ser um ano de dificuldades para o Baidu, o mercado vê uma recuperação em 2020, já que algumas dessas iniciativas começam a gerar dinheiro.

“Suas novas iniciativas na área de IA estão crescendo muito rapidamente”, disse Zhang. “Embora a geração de contribuição financeira significativa de novas iniciativas de IA não seja fácil, a empresa provou sua capacidade de comercializar tecnologia de IA em uma ampla gama de aplicações em um ritmo e escala difíceis de competir.”

Zhang disse que sua empresa acredita que “o Baidu é um dos principais participantes da próxima era de IA da China” e acrescentou: “Esses novos negócios de inteligência artificial serão o condutor de valor de longo prazo para o Baidu”.

Fonte: CNBC
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta