Mark Greeven explica como o ecossistema da China reordenou a economia global

1174
[tempo para leitura: 2 minutos]

Muito se fala das taxas de crescimento econômico expressivas da China nos últimos anos ou das inovações que o gigante asiático vem trazendo ao mercado. Entretanto poucos entendem tão bem o dinamismo da economia chinesa como Mark Greeven, professor de inovação e estratégia na IMD e autor do livro ‘Business Ecosystems in China: Alibaba and Competing Baidu, Tencent, Xiaomi and LeEco’. O LATAM Retail Show traz Greeven ao país, no dia 27 de agosto, para discutir o “Ecossistema de negócios na China: varejo, tendências e insights”.

Dentre os tópicos da palestra estão as quatro grandes categorias de empresas do país. Eles são explicadas em sua última obra Pioneers, Hidden Champions, Changemakers and Underdogs – Lessons from China’s Innovators – escrita junto com George Yip e apoio da consultora de inovação Wei Wei – ainda sem data prevista de lançamento no Brasil.

Greeven trará exemplos de como a China vem se tornando cada vez mais veloz naquilo que se propõe a colocar em prática. “Entender esta urgência e como estas mudanças reverberam no mercado brasileiro será, certamente, pauta importantíssima das discussões”, alerta Marcos Gouvêa de Souza, diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza.

A China tem mostrado ao mundo capacidade de se superar, reordenando a lógica dos mercados consumidores e da produção em todo o mundo. Em entrevista sobre um de seus artigos mais recentes Understanding China’s next wave of innovation, Mark Greeven destacou o dinamismo do mercado do gigante asiático.

“Nós vemos a China emergindo como uma potência de inovação, mas o que a maioria das pessoas não sabe é que é apenas o começo. Em nossos estudos, identificamos um grupo muito grande, milhares, senão dezenas, de milhares de empresas chinesas inovadoras, mais ou menos invisíveis, operando sob o radar, mas vagarosamente perturbando indústrias. Elas desafiam inclusive multinacionais, com novos e sofisticados serviços e modelos de negócios”, explicou.

Em meio a uma guerra comercial com os Estados Unidos, a agência de planejamento estatal da China afirmou que adotará um plano para aumentar a renda da população. O país pretende estimular o consumo neste ano e em 2020. Entre as medidas está a reforma do sistema Hukou – um programa de registro familiar que serve como passaporte doméstico e regula a imigração rural para as cidades. Outra ideia seria expandir as oportunidades para que os cidadãos ganhassem uma renda extra não salarial.

No último trimestre o país sofreu desaceleração em diversos setores, dentre eles o varejo. Para estimular o consumo da população, algumas cidades estenderam nos últimos meses o horário de funcionamento dos estabelecimentos, como museus e supermercados, na tentativa de movimentar a “economia noturna”.

Neste ano, o LATAM Retail Show abordará também outros grandes temas como: evolução do varejo, omnichannel, cultura, liderança, inovação, jornada do consumidor, data analytics, mercado imobiliário, eficiência operacional, shopping center, strip malls, estratégia de distribuição, meios de pagamento, blockchain, big data, entre outros.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta